Você está aqui: Página Inicial / Política / Ministério de Dilma tem a cara da continuidade. É óbvio

Política

Novo Governo

Ministério de Dilma tem a cara da continuidade. É óbvio

por Celso Marcondes — publicado 03/12/2010 11h59, última modificação 03/12/2010 17h26
Nesta sexta foram oficializados Antonio Palocci (Casa Civil), Gilberto Carvalho (Secretaria Geral da Presidência) e José Eduardo Cardozo (Justiça). Sem surpresas, para surpresa de alguns

Nesta sexta foram oficializados Antonio Palocci (Casa Civil), Gilberto Carvalho (Secretaria Geral da Presidência) e José Eduardo Cardozo (Justiça). Sem surpresas, para surpresa de alguns

São dadas como certas as indicações de 3 ministérios para o PMDB: Nelson Jobim, Edison Lobão e Wagner Rossi, para a Defesa, Minas e Energia e Agricultura, respectivamente. A participação do partido não vai parar por aí, deve chegar a 5 ou 6 cadeiras. A definição daqueles nomes visa aplacar a crise causada pela divulgação do nome de Sergio Luiz Cortês para a Saúde, anúncio feito não pela presidente eleita, mas sim por Sérgio Cabral.

Este teve que vir a público para se desculpar pela inconfidência. Havia acertado tudo com Dilma, mas, óbvio, não que seria o porta-voz da notícia.

O episódio mostrou quão é complicada a negociação com a federação de interesses que é o PMDB. Garantir um dos ministérios mais importantes do governo, como é o da Saúde, ao contrário de deixar exultantes os membros do partido, causou o maior rebuliço. A conexão direta de Cabral com Dilma incomoda demais ao vice-presidente eleito Michel Temer. E ao PMDB da Câmara, ao PMDB do Senado e aos vários PMDBs regionais. Incomoda também a muitos petistas, mas isso é outra história.

O que importa aqui é tentar entender o tamanho do nó. No ministério atual do presidente Lula, há 3 ministros do PMDB que não são considerados da “cota” do partido: José Gomes Temporão, Henrique Meirelles e o mesmo Jobim. Os 3 são do PMDB, mas “não contam”, os dois primeiros já foram descartados para seguir no próximo governo.

O partido quer mais 3 vagas. Chegar a elas não vai ser nada fácil. Temer quer Moreira Franco no ministério das Cidades, mas ele é adversário de Cabral no Rio. Farão um acordo? Temer emplaca Moreira e Cabral garante Côrtes na Saúde?

Outras definições
A recordar: estão oficializados até aqui Guido Mantega (Fazenda), Miriam Belchior (Planejamento), Alexandre Tombini (Banco Central) Antonio Palocci (Casa Civil), Gilberto Carvalho (Secretaria Geral da Presidência) e José Eduardo Cardozo (Justiça).

Considerado definido, a oficializar a qualquer momento, Luciano Coutinho (BNDES)

São considerados certos, mas talvez a nota oficial não saia tão cedo: Paulo Bernardo (Comunicações), Antonio Patriota (Relações Exteriores), Alexandre Padilha (Relações Institucionais), Fernando Haddad (Educação) e Carlos Lupi (Trabalho).

Estão com grandes chances de emplacar: Fernando Pimentel (Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior), Aloizio Mercadante (Ciência e Tecnologia), Isabella Teixeira (Meio Ambiente), José Sergio Gabrielli (Petrobras) e Maria Fernanda Coelho (Caixa).

Estão indefinidos nas cotas de partidos aliados:
PC do B: Orlando Silva ou Manuela D’Ávila ou Jandira Feghali.

PSB: Fernando Bezerra ou Antonio Carlos Valladares ou Luiza Erundina.

PR: Alfredo Nascimento ou Jaime Martins.

Um ministério ainda misterioso? O da Cultura. Juca Ferreira quer ficar, tem até campanha eleitoral. Correm por fora: Emir Sader e Fernando Morais. Marilena Chauí, outra bem cotada, não deve ter pique para uma temporada em Brasília.

Já ficaram pelo caminho: Marta Suplicy e Ciro Gomes. Este, preferido dos leitores de CartaCapital em nossas enquetes, sumiu do mapa e das bolsas de apostas. Se já não foi descartado, ainda não dá para eliminar totalmente a hipótese de que ressurja retumbante.

Este quadro que se desenha já mereceu severas críticas em editoriais e colunas de órgãos da grande imprensa. Diziam que está muito parecido com o do governo atual, já foi chamado de “vice-ministério”. Para mim, nenhuma surpresa até aqui. Surpresa seria se Dilma tirasse do fundo da cartola algum nome para seus principais auxiliares.

Ou, como disse o presidente Lula: “Vocês queriam o quê? Que ela convidasse alguém do DEM?”.

(Atualizada às 16h28)

registrado em: ,