Você está aqui: Página Inicial / Política / Manifestação contra tarifa reúne mais de 4 mil em SP

Política

Transporte

Manifestação contra tarifa reúne mais de 4 mil em SP

por Rede Brasil Atual — publicado 28/01/2011 07h48, última modificação 29/01/2011 11h13
Presidente da Câmara firma compromisso com MPL de convocar audiência pública com o secretário de transportes

Presidente da Câmara firma compromisso com MPL de convocar audiência pública com o secretário de transportes
Por Jéssica Santos de Souza*
São Paulo – Pela terceira vez, manifestantes contrários ao aumento da tarifa de ônibus fizeram um protesto em São Paulo. O ato desta quinta-feira (27), contou com  4,5 mil pessoas, de acordo com o Movimento do Passe Livre (MPL). Saíram do Teatro Municipal, percorrendo ruas do Centro até a Câmara dos Vereadores. Segundo o tenente André Luís Zandonadi a manifestação foi pacífica e ao todo 3,5 mil pessoas participaram da passeata.
Na frente da Câmara dos Vereadores,  o presidente da Casa, Police Neto (PSDB) e uma comissão de vereadores, se reuniram com os manifestantes. Neto recebeu uma carta de reivindicações e firmou o compromisso de convocar uma audiência pública com  o secretário municipal de Transportes, Marcelo Cardinale Branco.
"A Câmara não tem atribuição de revisar a tarifa, isso é uma política que o município mesmo instala. Mas nosso esforço será para abrir um canal de diálogo para discutir a política de transporte público e política tarifária na cidade", afirmou Police Neto.
Segundo o líder do PT na Câmara, vereador José Américo, os vereadores devem  aprovar a convocação do secretário na próxima quarta-feira (2).
Para a moradora do M'Boi Mirim e participante da mobilização, Josefa Barbosa do Nascimento , a série de manifestações gerará resultados. "O ato é importante para chamar atenção das autoridades porque o ônibus é ruim. Mesmo assim, continua aumentando de valor enquanto o trabalhador sofre", disse. De acordo com ela, a única linha de ônibus oficial em seu bairro, o Jardim Horizonte Azul, foi retirada de circulação. "Agora só operam cooperativas."
Segundo Mariana Toledo, uma das representantes do MPL, a manifestação desta sexta foi uma grande vitória para o movimento. "Nossa luta teve força o suficiente para fazer o trajeto completo, diferente do dia 13 em que fomos impedidos de continua", comemorou. Há duas semanas a passeata que iria terminar na frente da Câmara dos Vereadores foi dispersa pela PM na Praça da República na altura da Secretaria Estadual de Educação.
O protesto se deve ao aumento de 11% do transporte público na capital de R$ 2,70 para R$ 3 no último dia 5.
* Matéria originalmente publicada pela Rede Brasil Atual

registrado em: