Você está aqui: Página Inicial / Política / Lula diz que Globo faz "sacanagem" com Padilha

Política

São Paulo

Lula diz que Globo faz "sacanagem" com Padilha

por Piero Locatelli — publicado 08/08/2014 14h47, última modificação 08/08/2014 17h42
Ex-presidente reclamou que emissora não dá espaço para a campanha do candidato petista ao governo de São Paulo; Rede de televisão diz que o petista se equivocou
Ricardo Stuckert/Instituto Lula
Lula

Presidente participou de comício em São Paulo

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva criticou a rede Globo na noite de quinta-feira 7, durante comício de centrais sindicais em São Paulo. Segundo ele, a emissora faz uma "sacanagem" com o candidato do PT ao governo do Estado, Alexandre Padilha.

Sem citar o nome da emissora, Lula reclamou que a Globo não exibe o candidato do PT em seu telejornal regional todos os dias, mostrando somente a agenda dos dois primeiros candidatos na pesquisa, Geraldo Alckmin (PSDB) e Paulo Skaf (PSB). No Jornal Nacional, a emissora tem exibido os três primeiros colocados. Além de Dilma Rousseff, ela cobre diariamente as agendas de Eduardo Campos (PSB) e Aécio Neves (PSDB).

"No principal jornal do pais a nível nacional, ela exibe os candidatos acima de seis por cento. (...) Eles decidiram que só vão falar dos candidatos com mais de dez por cento [em São Paulo]. Por quê? Para tirar o Padilha da eleição", disse o ex-presidente.

Atualmente, Padilha tem 4% das intenções de voto, segundo a última pesquisa Datafolha. Assim, mesmo que o critério do jornal regional da Globo fosse igual ao do Jornal Nacional, Padilha ficaria fora.

Em e-mail enviado à CartaCapital, a Comunicação da Globo afirmou que: "O Lula se equivocou. Os critérios de cobertura das eleições nacional e de São Paulo são absolutamente os mesmos. Os candidatos com intenção de voto acima de 6% na última pesquisa Datafolha/Ibope tem cobertura diária nos telejornais. Sendo que, porque o número de candidatos em São Paulo é menor, em vez de Padilha ter apenas uma cobertura semanal tem duas."

A legislação eleitoral prevê que as redes de televisão e rádio não podem "dar tratamento privilegiado a candidato, partido político ou coligação". Lula ainda comparou o que acontece com Padilha ao que fizeram a ele na eleição de 1994, quando uma nova legislação proibiu a exibição de imagens gravadas na rua. Naquele ano, Lula foi derrotado por Fernando Henrique Cardoso no primeiro turno.