Você está aqui: Página Inicial / Política / José Serra é intimado a depor sobre cartel de trens em SP

Política

Cartel

José Serra é intimado a depor sobre cartel de trens em SP

por Redação — publicado 21/08/2014 10h25, última modificação 25/08/2014 13h07
A Polícia Federal quer entender se o ex-governador, hoje candidato ao Senado pelo PSDB, favoreceu multinacionais
Cris Castelo Branco / Governo do Estado de SP

O ex-governador de São Paulo e candidato a senador pelo mesmo estado, José Serra (PSDB), foi intimado pela Polícia Federal a depor sobre os contatos que manteve com as empresas ligadas ao cartel do metrô paulista. O cartel aconteceu entre os anos de 1998 e 2008, período que coincidiu com o mandato de Serra como governador (2007 a 2010). A informação é do jornal Folha de S. Paulo.

A PF quer descobrir se Serra facilitou de forma irregular a atuação das empresas Alstom e CAF. A denúncia de cartel partiu da empresas da multinacional Siemens, como parte do acordo de leniência no qual a empresa assumiu ter participado de arranjos anticompetitivos em licitações de trens e metrô no estado. O cartel teria superfaturado 11 licitações no valor de 2,8 bilhões de reais, gerando 850 milhões de reais de prejuízo aos cofres públicos. Segundo o inquérito da PF conduzido pelo delegado Milton Fornazari Júnior, 3 das 11 licitações teriam ocorrido no governo de Serra.

Além de José Serra, outras 44 pessoas serão ouvidas, entre elas o ex-secretário dos Transportes Metropolitanos José Luiz Portella, o atual presidente da CPTM Mário Bandeira e o ex-presidente do Metrô Sérgio Avelleda. Segundo informa a Folha, o depoimento de Serra está marcado para o dia 7 de outubro, dois dias após o primeiro turno das eleições.

O jornal ainda informa que a assessoria de Serra disse "estranhar muito a inclusão do nome dele nesse inquérito às vésperas da eleição sobretudo depois que o Ministério Público Estadual, e até o procurador-geral de Justiça, arquivaram a mesma investigação" e que o vazamento do documento da convocação de Serra para depor teria motivação política.