Política

Operação Lava Jato

Janot e o probo Aécio Neves

por Luis Nassif publicado 20/03/2015 15h53, última modificação 10/06/2015 19h27
Jefferson Rudy / Agência Senado

Errou o Procurador Geral da República Rodrigo Janot ao não pedir abertura de inquérito contra o senador Aécio Neves.

Primeiro, porque na delação do doleiro Alberto Yousseff havia indícios suficientes para a abertura de inquérito. Conforme o PGR cansou de alertar, pedido de inquérito não significa condenação nem incriminação de ninguém. É apenas um procedimento de levantamento de provas, em cima de indícios. Se nada for encontrado, arquive-se; se forem encontradas provas, proceda-se à denúncia, que poderá ou não ser aceita pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

Em seu depoimento oral, Yousseff apresenta dados objetivos de fácil apuração.

*  Diz que Aécio Neves recebia propinas através de uma diretoria de Furnas, segundo relato do finado deputado José Janene (PP), que também tinha uma diretoria por lá.

*  Informa por onde passava o dinheiro da propina, a empresa Bauruense.

*  Informa o valor presumido da propina, de US$ 100 mil mensais.

*  Informa a possível destinatária da propina.

*  Diz basear-se nas conversas que tinha com Janene e com o proprietário da Bauruense.

Ora, com base nessas informações, bastaria requerer a quebra de sigilo da Bauruense, analisar seus extratos e balanços e fazer o mesmo da suposta ponta recebedora.

Tinha razão o Ministro Teori Zavaski quando comentou com pessoas próximas que foram abertos inquéritos com elementos muito menos robustos do que aqueles que constavam contra Aécio.  Ele não entrou em juízo de valor, se deveria ou não ter sido solicitado o inquérito. Apenas comparou condições.

 

O segundo erro do PGR foi não considerar que, ao livrar Aécio do inquérito, ele reforçou a manipulação política da Lava Jato. E aí reside o grande risco: valer-se da operação não para corrigir desvios históricos, mas apenas como ferramenta de ataque político.

O grande fator de legitimação do trabalho da Lava Jato - e do Ministério Público Federal em geral - é a isenção. Para setores relevantes da opinião pública, o MPF tem lado, pela resistência em atuar em casos envolvendo o PSDB. E até pelos vazamentos seletivos, aceitos passivamente por Janot. É só comparar o depoimento de Alberto Yousseff sobre Aécio com o que foi dito sobre Dilma - com o que saiu na mídia na véspera das eleições.

Pode ser fama injusta, mas é real.

O pedido de abertura de inquérito contra Aécio teria a tripla finalidade de mostrar isenção, reduzir seus ímpetos golpistas e desmanchar a hipocrisia histórica da política brasileira para quem o jogo político se resume aos "seus ladrões"  e aos "meus operadores de bem".

A consequência dessa piscada de Janot está aí: o probo Aécio pedindo o fim do partido adversário, devido ao recebimento de propinas.