Você está aqui: Página Inicial / Política / Gilmar Mendes sugere lavagem de dinheiro em doações e PT contra-ataca

Política

"Mensalão"

Gilmar Mendes sugere lavagem de dinheiro em doações e PT contra-ataca

por Bruna Carvalho — publicado 05/02/2014 19h46, última modificação 05/02/2014 19h53
Presidente do PT vai interpelar ministro do STF. Advogado e familiares dos condenados no processo do "mensalão" afirmam que arrecadação foi feita com transparência
STF
Gilmar Mendes, ministro do STF

O ministro do STF Gilmar Mendes sugeriu que o MP investigasse as doações

Diante das declarações de Gilmar Mendes sobre supostas irregularidades na campanha de arrecadações para o pagamento das multas impostas a José Genoino e Delúbio Soares por causa das condenações no "mensalão", o presidente nacional do PT, Rui Falcão, decidiu interpelar o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) na presidência da Corte.

A medida será tomada com base no artigo 144 do Código Penal. O artigo permite que pessoas ou entidades que se sintam vítimas de crimes contra a honra cobrem explicações em juízo. De acordo com o diretório nacional do partido, a protocolação será realizada na quinta-feira 6 na presidência do STF.

Na terça-feira 4, Mendes sugeriu que o Ministério Público abrisse uma investigação para apurar a campanha de doações para o pagamento de multas impostas aos condenados no processo do "mensalão". O ex-presidente do PT José Genoino arrecadou cerca de 700 mil reais e o ex-tesoureiro do partido Delúbio Soares mais de 1 milhão de reais.

O ministro do STF aventou ainda a possibilidade de o montante arrecadado não ter sido, de fato, doado por militantes. "Eu acho que está tudo muito esquisito. Essa dinheirama, será que esse dinheiro que está voltando é de fato de militantes? Ou estão distribuindo dinheiro para fazer esse tipo de doação? Será que não há um processo de lavagem de dinheiro aqui?", questionou. "São políticos presos por corrupção. É disso que estamos falando."

O coordenador do setor jurídico do PT, Marco Aurélio Carvalho, classificou como "condenável" a postura do ministro do Supremo. "Causou perplexidade e indignação essa tentativa de criminalizar os militantes que se uniram em uma rede de solidariedade para arrecadar as doações", afirmou a CartaCapital. "É condenável. Ele não precisa aplaudir, mas não precisa criminalizar."

Carvalho acrescentou que o partido está "absolutamente convicto" de que não houve quaisquer irregularidades no processo de arrecadação de doações. "Todos os depósitos são identificados. Temos todos os documentos que, se forem requeridos, serão apresentados à Justiça."

A fala do ministro do Supremo também provocou reações entre os organizadores das campanhas. Miruna Genoino, filha do ex-presidente do PT, afirmou que a arrecadação foi feita de maneira absolutamente transparente. "Eu tenho os cadastros de 2.620 pessoas que mandaram RG e CPF e sempre fomos muito transparentes, falando dos valores", afirmou a CartaCapital.

Miruna afirmou que, mesmo antes das declarações de Mendes, já havia a decisão de divulgar no site da campanha o pagamento do imposto estadual do Distrito Federal referente às doações. Também foi divulgado o comprovante do depósito no valor de 30 mil reais do excedente do montante arrecadado para a campanha de Delúbio Soares. "Se olharem o extrato, os únicos valores mais altos são as doações de pessoas amigas. Não tem nada a esconder."

Maria Leonor Poço Kakobsen, advogada de Delúbio, divulgou nota no site do ex-tesoureiro afirmando que todos os 1.668 doadores "são identificados com seus RG e CPF, e depositaram em conta da Caixa Econômica Federal". "Todas as doações foram feitas com pleno amparo legal, revestindo-se da característica de ato de vontade pessoal, solidariedade humana, amizade ou afinidade política e ideológica", afirma a nota.