Você está aqui: Página Inicial / Política / Alba Branca: entenda a operação que mira o tucano Fernando Capez

Política

Corrupção

Alba Branca: entenda a operação que mira o tucano Fernando Capez

por Redação — publicado 28/01/2016 05h09
Presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo é suspeito de receber propina para facilitar contratos da merenda escolar; ele nega
Agência Senado
Capez

Presidente da Alesp, tucano Fernando Capez repudia ligação de seu nome ao escândalo

A Polícia Civil e o Ministério Público de São Paulo deflagraram na última semana a Operação Alba Branca, que investiga um esquema de superfaturamento na venda de alimentos para a merenda escolar infantil. Dirigentes de uma cooperativa de pequenos produtores de Bebedouro (SP) citaram o presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, Fernando Capez (PSDB), e outros políticos como beneficiários de propina.

O que a Operação Alba Branca investiga?

A operação Alba Branca investiga um esquema de corrupção no qual uma organização pagava propina em troca de contratos superfaturados para fornecer merenda escolar à Secretaria de Estado da Educação, do governo Geraldo Alckmin (PSDB), e a 22 prefeituras paulistas.

Comandada pelo Ministério Público e pela Polícia Civil de São Paulo, a operação foi deflagrada no dia 19 de janeiro e prendeu dirigentes da Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar (Coaf), que fica no município de Bebedouro.

Quem são os políticos citados?

Os presos colaboraram com a investigação e apontaram como supostos recebedores de propina o presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, deputado Fernando Capez (PSDB); o ex-chefe de gabinete da Casa Civil do governo Alckmin e braço-direito do secretário Edson Aparecido, Luiz Roberto dos Santos, conhecido como “Moita”; o presidente do PMDB paulista, deputado federal Baleia Rossi; o deputado federal Nelson Marquezelli (PTB); e o deputado estadual Luiz Carlos Gondim (SD).

Segundo um depoimento, Capez seria o responsável por conseguir um contrato com a Secretaria da Educação. Todos os citados negam ligação com o esquema. Também há indícios de envolvimento de prefeitos e vereadores de municípios paulistas.

Como funcionava o esquema?

Informações obtidas por meio de interceptações telefônicas e confirmadas em depoimentos apontam que políticos e funcionários das prefeituras recebiam propina da Coaf para que mantivessem os contratos de fornecimento de produtos agrícolas para a merenda. Segundo a polícia, o superfaturamento chegava a 25% de cada contrato. A propina seria paga por intermediários, por meio de depósito em conta ou pacotes de dinheiro vivo.

O dinheiro desviado sai de um fundo federal, o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), que é distribuído a Estados e municípios. Conforme a lei 11.947, ao menos 30% do valor repassado ao Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) deve ser destinado à compra de alimentos da agricultura familiar. A Coaf, então, simulava disputa com outras cooperativas ligadas a ela.

merenda
Itens da merenda eram vendidos a preços até 25% mais altos

Quanto já foi desviado dos cofres públicos?

A polícia ainda não sabe o valor total desviado. De acordo com um executivo da Coaf, apenas um contrato com o governo de São Paulo gerou propina de 1,94 milhão de reais em 2015. No mesmo depoimento, o funcionário diz que outro contrato no valor de 7,76 milhões de reais com o Estado teria rendido “comissão” de 25%.

Em exemplos reais, a investigação aponta que um litro de suco de laranja que poderia ser comercializado por 3,70 reais era vendido a 6,80 reais.

O que os citados alegam?

Capez diz repudiar “com veemência a ligação de seu nome ao escândalo Alba Branca” e que “esclarecerá toda e qualquer dúvida”; os deputados Baleia Rossi, Nelson Marquezelli e Luiz Carlos Gondim também negam o recebimento de propina. Já a Secretaria de Estado da Educação informou que vai colaborar com as investigações.

Quais os próximos passos da investigação?

O procurador-geral de Justiça de São Paulo, Marcio Fernando Elias Rosa, criou uma força-tarefa para apurar o envolvimento de Fernando Capez no esquema, visto que o deputado era chamado de “nosso amigo” por intermediários de propina, conforme os depoimentos. Além disso, alguns investigados estão negociando acordos de delação premiada.

A Casa Civil informou que “Moita” foi exonerado no dia 18 de janeiro, véspera do início da operação. O secretário da pasta, Edson Aparecido, informou que acionou a Corregedoria-Geral da Administração para investigar o caso.

Qual a origem do nome da operação?

“Alba Branca” faz referência a uma espécie de trufa da região de Alba, no norte da Itália, e é uma ironia ao superfaturamento dos produtos da merenda escolar. Ao custo de 3 mil euros por quilo (o equivalente a 13.200 reais), o cogumelo é considerado um dos alimentos mais caros do mundo. 

registrado em: , , ,