Você está aqui: Página Inicial / Política / Direito ao Debate

Política

Eleições 2010

Direito ao Debate

por Plínio Arruda Sampaio — publicado 19/09/2010 11h07, última modificação 22/09/2010 10h18
Plínio Arruda Sampaio: é importante discutir os recentes escândalos de corrupção do Estado, porém não se discute a corrupção do próprio Estado burguês
Direito ao Debate

Plínio Arruda Sampaio: é importante discutir os recentes escândalos de corrupção do Estado, porém não se discute a corrupção do próprio Estado burguês. Foto: Fábio Nassif

Não se pode e nem se deve evitar que a demissão da Ministra Erenice Guerra esteja na agenda política eleitoral. Afinal, trata-se de moralidade pública e isto interessa obviamente a todos os brasileiros. Também não é possível omitir do debate eleitoral a quebra de sigilo de parentes de José Serra. A privacidade constitui direito de todas as pessoas e, portanto, um assunto de interesse nacional.

Mas é de se lamentar que o debate eleitoral seja monopolizado por esses dois assuntos, pois, embora importantes, não são os únicos nem os mais decisivos para mudar a situação responsável pelos problemas que afligem a imensa maioria da população brasileira.

Infelizmente é o que está acontecendo, para gáudio da ordem burguesa, porque, enquanto o debate centrar-se em focos de corrupção do Estado, não se discute a corrupção do próprio Estado burguês. Urge, pois, que os órgãos de imprensa sérios não se deixem pautar pelos interesses da ordem corrupta e tragam para o debate os problemas da desigualdade, da segregação social da grande maioria, da deterioração completa dos sistemas de educação e saúde, da reversão neocolonial do país.

São poucos os jornais e os políticos que estão trazendo tais assuntos à baila. Há mesmo uma espécie de complô de silêncio para evitar que os temas delicados sejam mencionados nos debates entre os candidatos.

Quem perde é a população brasileira que tomará uma decisão importante às escuras.

registrado em: