Você está aqui: Página Inicial / Política / "Direita não se conforma com a democracia", declara Lula

Política

América Latina

"Direita não se conforma com a democracia", declara Lula

por Opera Mundi — publicado 18/08/2010 09h41, última modificação 18/08/2010 15h33
Em mensagem enviada ao Foro de São Paulo, que está reunido em Buenos Aires, o presidente faz um balanço da democracia no continente

O secretário-geral do Partido dos Trabalhadores, José Eduardo Martins Cardozo, deverá fazer hoje (18/8) à noite, no ato político de abertura do XVI Encontro do Foro de São Paulo, em Buenos Aires, leitura de carta enviada pelo presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, aos participantes do evento.

Na mensagem, à qual o site Opera Mundi teve acesso exclusivo, Lula conta como, há 20 anos, 42 partidos e movimentos progressistas se reuniram para um encontro “sem precedentes na história do continente”, que viria a ser o embrião do Foro de São Paulo. “As transformações pelas quais passaram a América Latina e o Caribe nestas duas décadas têm muito a ver com os debates que realizamos”, afirma.

Segundo ele, experiências como a Unasul (União das Nações Sul-Americanas) e a Comunidade da América Latina e do Caribe são herdeiras das discussões do Foro. “Elas abrem o caminho para uma verdadeira integração de nossos países fundadas, sobretudo, nos valores da democracia, do progresso econômico e social e da solidariedade”, diz.

O presidente também ressalta que muitos dos que participaram do Foro como forças de oposição, em edições passadas, hoje estão nos governos da América Latina, “desenvolvendo importantes mudanças em nossos países e na região como um todo”. A carta também afirma que alguns classificam o Foro como uma organização autoritária, mas que este é “o velho discurso de uma direita que foi apeada do poder pela vontade popular e que não se conforma com a democracia de que se diz falsamente partidária”.

Como conclusão, Lula menciona a contribuição do PT e outros partidos progressistas do Brasil para a nova realidade continental. Entre as conquistas, cita a retomada do crescimento com distribuição de renda, a criação de empregos, a independência do Fundo Monetário Internacional, o aumento do salário real dos trabalhadores e da renda dos trabalhadores do campo e o controle da inflação.

“Pudemos fazer esta transformação com expansão da democracia, aumento da participação popular e fortalecimento de nossa soberania nacional. O Brasil mudou e vai continuar mudando nos próximos anos”, finaliza.

Leia a carta na íntegra:

MENSAGEM DO PRESIDENTE DO BRASIL, LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA AO FORO DE SÃO PAULO

Queridas Companheiras e Companheiros

Há 20 anos, 42 partidos e movimentos progressistas da América Latina e do Caribe reuniram-se em São Paulo - convidados pelo Partido dos Trabalhadores - para um Encontro sem precedentes na recente história política de nosso Continente.

Nascia o que um anos depois, no México, seria chamado de Foro de São Paulo.

Vivíamos tempos difíceis no início dos anos noventa.

Em muitos países ainda persistiam fortes marcas das ditaduras que se haviam abatido nas décadas anteriores sobre nossos povos. Esses resquícios autoritários impediam a constituição de democracias vigorosas e dificultavam a luta dos trabalhadores.

Pairava sobre nosso Continente a hegemonia do ideário do Consenso de Washington.

Primazia do mercado, enfraquecimento do Estado, desregulamentação das relações de trabalho, sacrifício da noção de desenvolvimento e de políticas sociais em nome de uma suposta estabilidade, buscada a qualquer preço, com enormes sacrifícios para os trabalhadores do campo e das cidades.

A predominância dessas idéias conservadoras era reforçada pela profunda crise das referências tradicionais das esquerdas - as comunistas e os socialdemocratas. Suas políticas não permitiam explicar a realidade mundial mas, sobretudo,  mobilizar as grandes massas.

A reunião de São Paulo e tantas outras que se seguiram nestes 20 anos tiveram como mérito fundamental criar um espaço democrático de conhecimento e de discussão das esquerdas. Esse espaço não existia, muitas vezes, nem mesmo em nossos países.

Não criamos uma nova Internacional.

Conhecíamos a história das internacionais e sabíamos que era mais importante termos um Foro no qual pudéssemos intercambiar experiências, discutir acordos, mas também desacordos.

As transformações pelas quais passaram a América Latina e o Caribe nestas duas décadas têm muito a ver com os debates que realizamos.

Hoje, nossa região vive uma situação radicalmente diferente daquela de vinte anos atrás. Muitos dos que nos encontramos no passado nas reuniões do Foro de São Paulo como forças de oposição, hoje somos Governo e estamos desenvolvendo importantes mudanças em nossos países e na região como um todo.

Experiências como a UNASUL e a Comunidade da América Latina e do Caribe são herdeiras dos debates que levamos no Foro. Elas abrem o caminho para uma verdadeira integração de nossos países fundadas sobretudo nos valores da democracia, do progresso econômico e social e da solidariedade.

Uns poucos tentam caracterizar o Foro de São Paulo como uma organização autoritária. É o velho discurso de uma direita que foi apeada do poder pela vontade popular. Não se conformam com a democracia de que se dizem falsamente partidários.

A contribuição de meu partido e outros partidos progressistas do Brasil para esta nova realidade do Continente é de todos conhecida.

Nosso Governo retomou o crescimento, depois de décadas de estagnação.

Crescemos distribuindo renda. Incluímos 30 milhões de brasileiros que viviam abaixo da linha da pobreza. Criamos 14 milhões e meio de empregos formais e aumentamos substancialmente o salário real dos trabalhadores e a renda dos trabalhadores do campo.  Mantivemos a inflação sob controle. Reduzimos nossa vulnerabilidade internacional. Não mais dependemos do Fundo Monetário Internacional. E pudemos fazer esta grande transformação com expansão da democracia, aumento da participação popular e fortalecimento de nossa soberania nacional.

O Brasil mudou e vai continuar mudando nos próximos anos.

Mudou junto com seus países irmãos do Continente.

Mudou como está mudando a Argentina que agora acolhe mais este encontro do Foro de São Paulo.

Recebam, queridos amigos, o abraço do seu irmão e companheiro

LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA

Presidente da República Federativa do Brasil

Brasília, 15 de agosto de 2010.

registrado em: ,