Você está aqui: Página Inicial / Política / Dilma: violência contra a mulher envergonha sociedade

Política

Dia Internacional da Não Violência contra a Mulher

Dilma: violência contra a mulher envergonha sociedade

por Agência Brasil publicado 25/11/2013 14h30, última modificação 25/11/2013 14h38
Primar pela segurança feminina é condição para uma nação mais justa, cidadã e igualitária, afirmou a presidenta
Marcelo Camargo / Agência Brasil
 Dia Internacional da Não Violência contra a Mulher

Caminhada do Dia Internacional de Não Violência Contra a Mulher, no Jardim Ângela, zona sul de São Paulo

A presidenta Dilma Rousseff disse hoje nesta segunda-feira 25, Dia Internacional da Não Violência contra a Mulher, que primar pela segurança feminina é condição para uma nação mais justa, cidadã e igualitária. Em sua conta no Twitter, Dilma escreveu que, graças às lutas das mulheres, o Brasil está mudando.

“A violência contra a mulher envergonha a sociedade que, infelizmente, ainda é sexista e preconceituosa. É uma forma de preconceito do 'mais forte' contra a mulher, apenas pelo fato de ser mulher”, escreveu Dilma, ao acrescentar que a Lei Maria da Penha foi o alicerce do combate à violência contra as mulheres no país.

A presidenta destacou que o Programa Mulher, Viver sem Violência é o caminho para garantir o “combate permanente e sistemático a essa violência”, destacando, entre os serviços para o atendimento às mulheres, as delegacias, a Defensoria Pública e o atendimento psicossocial.

Lançado em março, o programa prevê a construção de centros (Casa da Mulher Brasileira) em todas as capitais. Além dos serviços citados pela presidenta, as mulheres terão nesses espaços assistência social, acolhimento e orientação para o trabalho. O governo espera atender cerca de 200 mulheres por dia e 72 mil por ano em cada um deles. Devem ser investidos, até 2014, R$ 265 milhões, sendo R$ 115,7 milhões na construção dos centros, compra de equipamentos e manutenção.