Você está aqui: Página Inicial / Política / Dilma pede desculpas a médico cubano hostilizado no Ceará

Política

Cerimônia

Dilma pede desculpas a médico cubano hostilizado no Ceará

por Redação — publicado 22/10/2013 16h12, última modificação 22/10/2013 16h15
Ao sancionar o Mais Médicos, a presidenta classificou as vaias como "imenso constrangimento"; ministro critica o "corredor da xenofobia"
Roberto Stuckert Filho/PR
Juan Delgado

O médico cubano Juan Delgado recebe os cumprimentos da presidenta durante a cerimônia de lançamento do programa Mais Médicos

Hostilizado em uma manifestação em Fortaleza contra o Mais Médicos, o médico cubano Juan Melquiades Delgado recebeu um pedido de desculpas, nesta terça-feira 22, da presidenta Dilma Rousseff durante a cerimônia para sancionar a lei que instituiu o programa.

“Quero cumprimentar o Juan não apenas pelo fato de ele ter sofrido um imenso constrangimento quando chegou, e por isso, do ponto de vista pessoal e do governo, peço nossas desculpas a ele.”

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, também fez deferência ao médico cubano. “O corredor polonês da xenofobia que te recebeu em Fortaleza não representa o espírito nem do povo brasileiro, nem da maioria dos médicos que trabalham pelo SUS.”

Vaiado por colegas brasileiros, Juan Delgado se transformou uma espécie de símbolo do preconceito contra os profissionais estrangeiros do programa. No Brasil, ele foi escalado para trabalhar no Polo Base de Saúde Indígena do município de Zé Doca, no norte do Maranhão, onde vai atender índios das etnias Ka’apor, Awá-Guajá e Tenetehara-Guajajara. Ao chegar à cidade, conforme revelou CartaCapital no início de outubro, ele testemunhou a ocupação do local por lideranças indígenas a pedir a demissão da equipe responsável pelo local. A reportagem testemunhou a chegada de Delgado em meio à tensão. Os índios reclamavam do mau atendimento, da falta de alimentos aos doentes e acusavam uma enfermeira de sequestrar cartões do Bolsa Família de índios para uso pessoal. (Leia mais AQUI).

Atendimento. Segundo a presidenta, 13 mil profissionais vão atuar pelo programa e cobrir uma população de 46 milhões de brasileiros até abril de 2014. Dilma agradeceu aos médicos formados no país e aos que vieram de outros países, “ajudando, apoiando e demonstrando imenso carinho”.

“Talvez essa participação de vocês seja a mais perfeita, a mais completa, não só forma de integração da América Latina e outros países, mas também atestado de cidadania brasileira. Muito obrigada”, afirmou.

A aprovação do Mais Médicos pelo Congresso, segundo a presidenta, foi o reconhecimento da importância do SUS. “Mais médicos nos postos de saúde e na atenção básica vai significar sempre menos doença, e é essa a equação básica fundamental. O Mais Médicos veio efetivamente para mudar esse quadro de distribuição do acesso ao médico. (…) Mas também estamos ampliando a infraestrutura, e tudo isso está sendo feito em parceria com os municípios. Essa estrutura na qual investimos quase 13 bilhões de reais”, completou.