Você está aqui: Página Inicial / Política / Dilma mantém Lupi e pede informações à Comissão de Ética

Política

Crise na Esplanada

Dilma mantém Lupi e pede informações à Comissão de Ética

por Agência Brasil publicado 01/12/2011 13h50, última modificação 06/06/2015 18h15
Segundo a ministra Helena Chagas, Dilma quer verificar pessoalmente todos os elementos, analisados pelos conselheiros da comissão na reunião de nesta quinta-feira 30 que levou à recomendação da demissão
Pedestistas querem que Lupi deixe o cargo. Foto: Agência Brasil

Denúncias sobre irregularidades em contratos com ONGs e viagem em jatinho particular motivaram saída do pedetista. Foto: Agência Brasil

Por Luciana Lima

Brasília - A presidenta Dilma Rousseff pediu à Comissão de Ética Pública da Presidência da República informações sobre os elementos que motivaram o órgão a recomendar a demissão do ministro do Trabalho, Carlos Lupi. A decisão foi tomada depois que Dilma se reuniu, no começo da manhã desta quinta-feira 1º, com Lupi. A ministra-chefe da Comunicação da Presidência, Helena Chagas, informou que Lupi será mantido no cargo.

A ministra acrescentou ainda que Lupi disse à Dilma que vai apelar à comissão para que reconsidere a recomendação de demissão. Ao ser questionada sobre a reação da presidenta em relação à recomendação, a ministra definiu: “[Dilma] reagiu com naturalidade, mas ela quer se aprofundar [na análise]”.

Na edição de hoje do jornal Folha de S.Paulo há a informação de que Lupi ocupou, por quase cinco anos, dois cargos de assessor parlamentar em órgãos públicos – na Câmara dos Deputados, em Brasília, e na Câmara Municipal do Rio de Janeiro. Helena Chagas disse ainda que o ministrou se comprometeu a prestar explicações sobre o assunto a Dilma.

Segundo a ministra, Dilma quer verificar pessoalmente todos os elementos, analisados pelos conselheiros da comissão na reunião de nesta quinta-feira 30 que levou à recomendação da demissão. Ela também quer ter em mãos a ata com as observações feitas durante o encontro.

A recomendação da comissão foi tomada por unanimidade. A decisão se baseou em reportagens sobre um suposto esquema de favorecimento e cobrança de propinas no Ministério do Trabalho, além do uso irregular de um jatinho alugado pelo empresário Adair Meira, durante viagem ao Maranhão. O empresário é responsável por organizações não governamentais que mantêm convênio com o Ministério do Trabalho.

*Matéria publicada originalmente na Agência Brasil

registrado em: ,