Você está aqui: Página Inicial / Política / Corram, os comunistas estão chegando

Política

Opinião

Corram, os comunistas estão chegando

por José Antonio Lima publicado 06/02/2014 11h18, última modificação 06/02/2014 14h09
As cinco explicações para o fato de, na segunda década do século XXI, muitos ainda temerem o comunismo
Memorial às vítimas do comunismo

O memorial às vítimas ao comunismo em Praga, na República Tcheca. Uma placa dedica à obra "não apenas aos que foram mortos ou executados, mas a todos cujas vidas foram arruinadas pelo despotismo totalitário"

Quando eu tinha sete anos, um tio costumava visitar a minha casa com um alerta para o meu pai. "Zé, se este homem ganhar, duas, três famílias vão dividir este apartamento com vocês". O ano era 1989, o homem era Luiz Inácio Lula da Silva. Desde então, o muro de Berlim caiu, a Alemanha se reunificou, a Tchecoslováquia se separou, a União Soviética se dissolveu em 15 Estados diferentes e os últimos países nomeadamente comunistas nem mais conseguem sustentar sua ideologia, apesar de ostentarem o lado mais horrendo de sua prática, o autoritarismo. Não sei que fim levou aquele tio, mas o temor saliente dos comunistas ainda persiste no Brasil. O que explica isso? A resposta para tal pergunta, no contexto brasileiro, está na interação de pelo menos cinco fatores.

1 - O primeiro deles é o submundo da internet. Como todas as outras pessoas, os teóricos da conspiração encontraram na rede um ambiente perfeito para dialogar com seus pares. Em fóruns e sites específicos, podem expor seus pensamentos e "desenvolve-los" em contato com ideólogos de quinta categoria e dublês de cientistas políticos. Nas redes sociais e caixas de comentários, duelam com seus opositores, os quais enfrentam com suas "verdades", geralmente não corroboradas por provas. A internet, assim, funciona como incubadora e providencia as ferramentas para aglutinar os teóricos da conspiração de diversas vertentes.

2 - O conteúdo da teoria do “golpe comunista” vem do mundo não virtual. Até hoje, o Brasil não fez um amplo reexame do que foi a ditadura, sua origem, realidade e consequências. A culpa por esta situação reside no Planalto – Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva carregarão em suas biografias o apoio tácito à política do esquecimento, que nunca enfrentaram. Sob a administração Dilma Rousseff foram criadas as Comissões da Verdade, mas elas enfrentam grandes obstáculos. Nada é mais representativo da ânsia em manter intocados os pecados da ditadura do que a Lei da Anistia. Em 2010, o STF referendou a lei sob o argumento de que a anistia foi fruto de um “acordo político” entre governo e oposição. Na realidade, o acordo previa anistia apenas para os perseguidos políticos, não para agentes do Estado que cometeram crimes de lesa humanidade.

Essa política do esquecimento manteve intocadas diversas outras farsas daquele período, entre elas a de que João Goulart planejava um golpe comunista. Esta lenda, decisiva na aglutinação da oposição a Jango, era considerada verdadeira pelos líderes do golpe, mas, como escreveu o historiador Rodrigo Patto Sá Motta, eles tinham uma “avaliação imprecisa da extensão” dela e, mesmo assim, “se esforçaram para convencer o público de que os bárbaros estavam à porta”. Sem o amplo reexame da ditadura, o que o Brasil experimentou foi a extensão desta mentira deslavada até os dias de hoje. A farsa sobre o complô comunista, assim, não é vista como o fato que é, mas como uma “opinião”.

3 - A terceira questão na base do medo comunista é a resiliência da retórica anti-petista. Como outros partidos em diversos países no pós-guerra Guerra Fria, o PT representa (ou representou?) a chegada de forças populares ao poder. Símbolo da esquerda latino-americana, o Partido dos Trabalhadores ainda instiga em alguns o medo de 1989, apesar de haver um enorme fosso entre as realizações boas e ruins das administrações petistas e o comunismo. Os lucros de montadoras, bancos e empreiteiras nos últimos anos, além da nova classe consumidora inserida ao sistema capitalista são apenas alguns dos exemplos disso.

Por trás desta falsa conexão entre o PT e o comunismo está uma visão de mundo reducionista, fruto de um raciocínio primitivo, que atrela qualquer grupo ou ato da esquerda política ao bolchevismo. O messias dessa ideia é Olavo de Carvalho. Em coluna publicada no Valor Econômico em 31 de janeiro, Joel Pinheiro explicou de forma didática a teoria olavista:

De acordo com Olavo de Carvalho, o esquerdismo vai muito além da política. Toda a cultura está tomada pelo marxismo cultural e a inversão de valores por ele efetuada. O pensamento e os slogans da esquerda são hegemônicos e constituem, assim como o PT, parte de um processo para implantar o comunismo na América Latina via o Foro de São Paulo, organização que reúne os principais partidos e movimentos de esquerda no continente.

Neste contexto, a proximidade do PT com outros governos sul-americanos de origem popular, como era o de Hugo Chávez na Venezuela e é o de Evo Morales na Bolívia, é vista como “prova” da conspiração comunista.

4 - O quarto fator a estimular o medo do comunismo é a incapacidade de determinados setores da esquerda brasileira de se distanciarem desse tipo de regime. Há uma estranha simpatia a regimes comunistas, notadamente o de Cuba, talvez derivada da impressão de que o princípio do comunismo, “no fundo, no fundo”, é moralmente superior ao de outros sistemas. Ainda que fosse este o caso, poucos comportamentos são mais moralmente condenáveis do que defender regimes que destruíram as vidas de milhões de pessoas, como foi o caso da União Soviética de Joseph Stálin. Conversar com alguém que viveu sob esse tipo de regime ou simplesmente visitar um país de passado comunista mostra o tamanho da falta de respeito, para dizer o mínimo, em que se consiste a prática de defender o comunismo, mas lá no país dos outros.

5- O quinto fator é a grande imprensa brasileira, na qual vigora uma versão “disfarçada” do olavismo (com as exceções de  Paulo Eduardo Martins e Rachel Sheherazade, apresentadores do SBT, que não economizam na verborragia). Apenas em 2014, muitos exemplos se acumularam. Demétrio Magnoli afirmou que a reeleição de Dilma configuraria a formação de um “regime” no Brasil; Arnaldo Jabor alertou sobre um “perigo vermelho”. Não faltaram referências, ainda, ao “bolivarianismo” e a uma suposta influência no Brasil do governo de Cristina Kirchner, sobre a qual não se tem qualquer indício real. O item revelador do “alto olavismo” da imprensa é, entretanto, o regime cubano. Seja a presença de Yoani Sanchez por aqui ou a inauguração do Porto de Mariel, Cuba é capaz de transformar o Brasil numa réplica do condado de Miami Dade, pedacinho da Flórida em que o anticastrismo é a identidade coletiva e a Lei Helms-Burton (a que mantém o boicote a Cuba), a constituição. Negociar com a Arábia Saudita, a China e ditaduras africanas é bom. E com Cuba? Aí não pode. É um caso bizarro de moralismo seletivo.

Quando este tipo de comentário escapa dos editoriais e páginas de opinião e atinge o noticiário a situação piora. Não é difícil identificar um golpe de Estado, mas a grande imprensa brasileira tem pesos e medidas diferentes para fazer isso. Em julho, todos os grandes veículos usaram o termo golpe para identificar a derrubada do presidente do Egito. Em 2009, em Honduras, e 2012, no Paraguai, quando caíram, respectivamente, Manuel Zelaya e Fernando Lugo, o termo golpe foi suprimido deliberadamente. Em comum entre Zelaya e Lugo, o fato de serem ligados à esquerda política. Para grande parte dos grandes veículos brasileiros, entretanto, aqueles movimentos não se tratavam de golpes, exatamente como o que apoiaram em 1º de abril de 1964 e que derrubou João Goulart.

Talvez outros fatores influenciem o medo do "perigo vermelho", como as experiências pessoais de quem sofre desta fobia. O mais lamentável de tudo isso é o tempo e a energia gastos numa discussão inócua. É impossível que de uma discussão sobre um sistema político-ideológico fracassado e superado surja algo minimamente útil para resolver os inúmeros problemas do Brasil.

registrado em: