Você está aqui: Página Inicial / Política / Chico Buarque: “O alvo não é a Dilma, mas o Lula”

Política

MPB

Chico Buarque: “O alvo não é a Dilma, mas o Lula”

por Revista Fórum — publicado 26/05/2015 17h48, última modificação 26/05/2015 17h59
“Querem enfraquecer o governo para que, em 2018, o PT chegue desgastado nas eleições”, afirma, em entrevista, um dos ícones da música brasileira
Ling Wang Marina/Flickr Creative Commons
Chico-Buarque

O músico e escritor falou sobre a atual crise política

Em entrevista ao El País Brasil, o músico e escritor Chico Buarque de Hollanda falou sobre a atual crise política que acomete o Brasil. Para ele, a mira da oposição não está apontada para a presidenta Dilma Rousseff, mas para seu antecessor. “O alvo não é a Dilma, mas o Lula; têm medo que Lula volte a se candidatar”, afirmou.

Chico pensa que não há “nenhuma maneira de saber o que vai acontecer nos próximos anos”, já que considera forte também a crise econômica que ocorre no país. Sobre as manifestações pró-impeachment de março e abril, diz que não têm “objetivo concreto ou claro”.

“Entre aqueles que saem às ruas há de tudo, incluindo loucos pedindo um golpe militar”, destaca. “Outros querem acabar com o Partido dos Trabalhadores, querem enfraquecer o governo para que, em 2018, o PT chegue desgastado nas eleições.”

Ele não esconde suas preferências políticas. “Sempre apoiei o PT, agora a Dilma Rousseff e antes o Lula. Apesar de não ser membro do partido, de ter minhas desavenças e de votar em outros candidatos e outros partidos em eleições locais”, destaca.

"Sempre soube que o problema deste país é a miséria, a desigualdade. O PT não resolveu tudo, mas conseguiu atenuar. Isso é inegável. O PT tem melhorado as condições de vida da população mais pobre.”

O músico conversou, ainda, sobre seu último romance lançado – O Irmão Alemão, sua relação com Vinicius de Moraes e Tom Jobim e seu processo de criação musical. “Componho menos do que aos 20. É normal. A música popular é mais uma arte da juventude, com o tempo você vai perdendo, não sei, não o interesse, mas ela já não flui com a abundância daqueles primeiros anos. Tenho que me esforçar mais, procurar mais, é mais difícil”, confidencia.