Você está aqui: Página Inicial / Política / Brasil: ressaca eleitoral ou polarização política?

Política

Análise

Brasil: ressaca eleitoral ou polarização política?

por Deutsche Welle publicado 06/12/2014 08h35, última modificação 06/12/2014 08h37
Apesar de eleições acirradas e protestos por impeachment, especialistas defendem que a sociedade não está permanentemente dividida, como na Venezuela ou EUA
Oswaldo Corneti/ Fotos Públicas
protesto

Protesto na avenida Paulista pede impeachment de Dilma Rouseff em 1º de novembro

Faixas "Fora, Dilma" e "Fora, comunistas" em meio a gritos de "Somos coxinhas". Assim, cerca de 500 manifestantes pediram o impeachment da presidente Dilma Rousseff no fim de semana passado, em São Paulo.

As manifestações de grupos de direita e esquerda têm se intensificado no país desde as eleições presidenciais. Em novembro, o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) fez uma marcha na Avenida Paulista contra o ato de eleitores anti-PT descontentes com o resultado das urnas.

Mesmo diante da divisão política expressada nas ruas, especialistas argumentam que o Brasil não vive uma polarização nos moldes de Estados Unidos e Venezuela. A divisão, afirmam, é apenas passageira.

"O país vive, na verdade, uma ressaca política depois de uma eleição muito apertada. As pessoas estão usando a palavra ‘polarização’ de uma maneira bastante equivocada", avalia Timothy Power, diretor do Programa de Estudos Brasileiros da Universidade de Oxford.

Para o filósofo Paulo Eduardo Arantes, professor aposentado da USP, a disputa entre PT e PSDB foi apenas eleitoral e não representa uma divisão profunda da sociedade.

"A polarização da campanha, o ‘nós’ contra ‘eles’, era muito rasa. Com o tempo isso vai desaparecer com as composições que serão feitas no governo", explica ele, citando a nomeação da senadora Kátia Abreu (PMDB), ligada ao agronegócio, para o Ministério da Agricultura.

Para Power, o descontentamento de uma pequena parte da população se concentra na escolha para presidente, por causa dos programas sociais criados pelos governos petistas desde 2002.

"Para outros pleitos, como governos estaduais e prefeituras, o Brasil não apresenta um quadro tão polarizado", diz o brasilianista.

Nos Estados Unidos, a bipolarização partidária permeia todos os níveis da esfera política, dos estados ao Congresso, com eleições permanentemente apertadas. Apesar de no Brasil a eleição presidencial ser majoritária, o Congresso Nacional apresenta, segundo Power, uma fragmentação muito grande.

"As pessoas que estão protestando contra o PT nas ruas devem perceber que a representação do partido no Congresso é hoje menor do que em 2002", avalia. "O avanço da legenda no Brasil é um fenômeno presidencial. Não tem muito a ver com outras esferas de governo."

Arantes acredita que há uma polarização assimétrica entre uma "nova direita", surgida após as manifestações de junho de 2013, e a "esquerda oficial". "Nos protestos, apareceu uma direita social e insurgente, que foi para as ruas em grande número para se contrapor ao status quo de um ponto de vista conservador", analisa.

O filósofo argumenta que já existia no Brasil uma "direita residual", que tende a propor intervenções militares. Enquanto este é um segmento minoritário, a "nova direita" tem um maior apelo popular.

Para ele, a assimetria se deve a uma radicalização da direita, que, no entanto, não foi acompanhada pela esquerda. "Uma polarização supõe dois termos antagônicos e extremos, só que um dos polos está em falta. A esquerda institucional, de governo no Brasil, é muito moderada, muito propensa à negociação", aponta.

Arantes alerta que esse segmento não busca fazer alianças para compor maiorias, mas visa unicamente dificultar o governo do PT. "No Brasil, Jair Bolsonaro [deputado federal], por exemplo, não têm a pretensão de criar um governo de coalizão", diz. "O Brasil se aproxima do que acontece nos EUA, em que a direita existe para impedir o Obama de governar."

As redes sociais são o principal instrumento de mobilização desses grupos, segundo Power. Para o professor da Universidade de Oxford, os manifestantes que pedem o impeachment de Dilma se aproveitam da atenção midiática no período de ressaca pós-eleições. O grupo é minoritário e tem uma posição política que não é compartilhada pelos grandes partidos de oposição.

"Pedir impeachment é pura fantasia. Esse não é o mesmo cenário de 1992, quando as alegações contra Fernando Collor eram muito fortes e ele tinha pouquíssimo apoio do Congresso", considera.

Os protestos recentes representam um movimento anti-PT, "até antissistêmico, de certa forma", diz Power. Ele avalia que a facilidade de mobilização pelas redes sociais ajuda os pequenos movimentos de direita, que nunca tiveram muita penetração na sociedade. "Isso é assimétrico em relação à esquerda, que sempre teve boa capacidade de mobilização popular nos sindicatos e movimentos sociais."

Power acredita que a internet "equilibra o jogo", mas de uma maneira superficial. "Hoje, a direita acha que uma conta no Twitter vale mais do que uma CUT, por exemplo, mas não é exatamente assim. Atrás do poder de mobilização das redes sociais, a direita não conta com movimentos organizados", afirma.

  • Autoria Karina Gomes / Marina Estarque

Logo DW

registrado em: , ,