Você está aqui: Página Inicial / Política / Bolívia aguarda explicações do Brasil

Política

Crise diplimática

Bolívia aguarda explicações do Brasil

Segundo a ministra das Comunicações, o caso de Pinto Molina não é comparável ao do australiano Julian Assange
por Agência Brasil publicado 27/08/2013 08:26
Comments
AFP
Roger Pinto Molina

O ex-senador boliviano Roger Pinto Molina

Monica Yanakiev
Correspondente da Agência Brasil/EBC

Buenos Aires – A Bolívia aguarda explicações oficiais do Brasil sobre a operação que resultou na saída do senador boliviano Roger Pinto Molina, com o apoio de funcionários da embaixada brasileira em La Paz, e na saída do chanceler Antônio Patriota. “Soubemos da saída de Patriota pela imprensa e preferimos esperar as informações do governo brasileiro sobre esse episódio, que violou as normas da Bolívia, do Brasil e internacionais”, disse a ministra da Comunicação da Bolívia, Amanda Davila, em entrevista por telefone à Agência Brasil, na segunda-feira 26.

Líder do partido de oposição Convergência Nacional, Molina é denunciado em pelo menos 20 processos por desacato, venda de bens do Estado e corrupção. Ha 15 meses, ele refugiou-se na embaixada brasileira em La Paz, alegando ser perseguido político, depois de fazer denúncias de corrupção contra o governo Evo Morales. O governo brasileiro lhe concedeu asilo político em maio de 2012, mas para sair do país, o senador precisaria de um salvo-conduto (autorização) – que o governo boliviano negou.

“Não podemos dar salvo-conduto para uma pessoa que foi condenada pela Justiça e que está sendo investigada por participação no massacre de 13 indígenas, na província de Pando, em 2008”, explicou Davila. Segundo ela, Molina só recebeu asilo na embaixada brasileira porque o então embaixador Marcel Biato e o encarregado de negócios Eduardo Saboia “deram ao governo de Dilma Rousseff uma informação incompleta” sobre a situação do senador, “que conta com o apoio de forças políticas e conservadoras, tanto na Bolívia quanto no Brasil”.

Depois de passar 454 dias trancado na embaixada brasileira, Pinto Molina chegou a Corumbá (MS) no sábado (24). Para chegar lá, ele teve que fazer uma viagem de 22 horas, em um carro da Embaixada do Brasil, escoltado por fuzileiros navais. Segundo o senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES), presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, ao cruzar a fronteira boliviana, foi recebido por agentes da Policia Federal e seguiu para Brasília de avião.

O diplomata brasileiro Eduardo Saboia – que estava como encarregado de negócios na embaixada em La Paz depois da saída de Biato -  assumiu a responsabilidade pela operação. Ele disse que tomou a decisão de tirar o senador do país porque “havia risco iminente à vida” dele. Molina – que há mais de um ano vivia em espaço de 20 metros quadrados, longe da mulher, dos três filhos e quatro netos - já teria ameaçado suicidar-se.

“Achamos estranho que ele estivesse correndo risco de vida e estivesse em condições de viajar de carro, encontrar-se com amigos e fazer declarações à imprensa”, disse Davila. “Devo agradecer, uma vez mais, às autoridades do Brasil”, disse o senador ao chegar em Brasília, onde ficou hospedado na casa do senador Ferraço.

Para Davila, o caso de Pinto Molina não é comparável ao do australiano Julian Assange, fundador do site Wikileaks, que revelou documentos secretos de mais de um governo. Ele pediu asilo político ao Equador e está escondido na embaixada equatoriana em Londres, desde 19 de junho de 2012. O governo britânico nega o salvo-conduto porque Assange está sendo buscado pela Justiça sueca, para responder a acusações de agressão sexual.

“No caso de Assange, é óbvio que as acusações foram pretexto para prendê-lo e fazê-lo calar. Ninguém resolve dizer que foi estuprado cinco anos depois”, disse Davila. Ela prefere comparar o caso de Molina ao do ex-ditador boliviano Luis Garcia Meza, que fugiu para o Brasil. Acusado de violações de direitos humanos e tráfico de drogas, ele foi extraditado para a Bolivia em 1995 e condenado a 30 anos de cadeia.

Davila negou versões que circulam em Brasília de que setores do governo boliviano teriam sugerido aos diplomatas brasileiros em La Paz terminar com o impasse e levar o senador ao Brasil por conta e risco próprios – mas com a garantia de que não seriam interceptados por autoridades da Bolívia. “Impossível. O senador está sendo buscado pela Justica para prestar depoimento sobre eventual participação no massacre de Pando”, disse ela.

Comentários

Todos os comentários são moderados, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Não serão aceitas mensagens com links externos ao site, em letras maiúsculas, que ultrapassem 1 mil caracteres, com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Não há, contudo, moderação ideológica. A ideia é promover o debate mais livre possível, dentro de um patamar mínimo de bom senso e civilidade. Obrigado.

comentários do blog alimentados pelo Disqus
Edições Digitais

Já é Assinante? Faça login para acessar a edição digital.



Não tem login? Cadastre-se.

Como funciona a edição digital?

Índices Financeiros
Moedas
Dolar Comercial +0.00% R$0,000
Dolar Paralelo +0.00% R$0,000
EURO +0.00% R$0,000
Bolsas
Bovespa +1,03% 56789
Nasdaq +1,03% 12340
Frankfurt +1,03% 38950

vale selo 50 anos.jpg

Fórum Brasil

Vale Mais admiradas.jpg

Diálogos Capitais