Você está aqui: Página Inicial / Política / Alckmin fará auditoria em contratos de Serra

Política

São Paulo

Alckmin fará auditoria em contratos de Serra

por Redação Carta Capital — publicado 04/01/2011 16h40, última modificação 04/01/2011 16h49
Apenas um "ajuste fino". As palavras de Geraldo Alckmin para definir um dos primeiros atos de governo tentam evitar que pareça o revide do racha com o ex-governador

Nada de revanche. Apenas um "ajuste fino". As palavras de Geraldo Alckmin para definir um dos primeiros atos de governo tentam evitar que pareça o revide do racha com o ex-governador de São Paulo José Serra.

A tarefa é difícil, já que a nova gestão começa com uma auditoria em todos os contratos de terceirização assinados pelo candidato derrotado à presidência da República em outubro passado. A decisão de verificar todos os contratos foi tomada na primeira reunião de Alckmin com o novo secretariado, nesta segunda-feira 3. O gasto total com os contratos que serão fiscalizados chega a 4,1 bilhões de reais.

O governador também anunciou um contingenciamento de gastos de R$ 1,5 bilhão. Após reunir-se pela primeira vez com seus 26 secretários, ele afirmou que vai reduzir em 20% os investimentos estaduais e em 10% as despesas de custeio por “cautela”.

“É bom a gente ter cautela”, disse Alckmin. “A situação [das contas do estado] é boa. Mas a economia depende do cenário internacional, da taxa de juros, do crédito. Enfim, da macroeconomia, que independe do estado.”

De acordo com Alckmin, o corte nos investimentos exclui áreas como educação, saúde e segurança. Conforme a evolução da arrecadação estadual, cálculos serão feitos para que os investimentos retomem o patamar anterior.

Já o corte de despesas será mais duradouro. Alckmin disse que todas as secretarias farão estudos para que possam reduzir seus gastos com procedimentos corriqueiros. “Pedimos um esforço para que verifiquem onde pode-se reduzir o gasto na atividade meio para que possamos ter mais recursos para a atividade fim”, afirmou.

A maior eficiência nos gastos públicos é, inclusive, o objetivo de uma agenda de gestão também anunciada pelo governador. A agenda, criada por meio de um decreto assinado hoje, visa a melhorar o trâmite de processos de todos os órgãos do governo estadual e, por consequência, reduzir o custo deles.

Em seu primeiro dia de trabalho, o governador assinou um decreto que prevê investimentos de R$ 24 milhões para o desassoreamento do Rio Tietê. A intenção do governador é aumentar os investimentos no rio para que ele volte a ter sua calha original em dois anos. "Isso ajuda a macrodrenagem de São Paulo", disse.

Outro decreto assinado por Alckmin dá prazo de 60 dias para que seja definida a secretaria a qual o Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (Detran-SP) será vinculado. Atualmente, o órgão está ligado à Secretaria de Segurança Pública. Cerca de mil policiais realocados trabalham lá. A ideia de Alckmin é usar esse pessoal novamente nas atividades de segurança da população.

Com informações da Agência Brasil

registrado em: