Você está aqui: Página Inicial / Política / “A elite brasileira é atrasadíssima e semeia o ódio”

Política

Entrevista - Guilherme Boulos

“A elite brasileira é atrasadíssima e semeia o ódio”

por Renan Truffi publicado 15/11/2014 12h29
Líder do MTST lidera ato contra a direita reacionária, mas indica que o movimento vai cobrar pautas progressistas de Dilma
Kimi / MTST
Guilherme Boulos

Guilherme Boulos durante a concentração da manifestação "contra a direita, por direitos", no vão do Masp, na avenida Paulista, em 13 de novembro

À frente do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST), Guilherme Boulos tem se firmado como uma nova liderança social no País. Nesta quinta-feira 13, Boulos foi responsável por uma passeata que reuniu pelo menos 10 mil pessoas, segundo a PM, na região central de São Paulo, durante três horas e sob forte chuva. A manifestação tinha o objetivo de “enfrentar a direita atrasada” e, ao mesmo tempo, deixar um recado para o governo da presidenta Dilma Rousseff (PT): se a próxima gestão petista não for voltada para reformas populares, como prometido nas urnas, o MTST não vai sair das ruas.

“É preocupante que os primeiros sinais da presidenta [Dilma] não tenham sido esses [de que o governo será progressista]", afirma. "Esse ato também tem o sentido de dar o recado que o povo vai lutar nas ruas pelo programa que foi eleito nas urnas”. Ao mesmo tempo, diz o líder do MTST, o ato foi um recado à direita conservadora. “[Há] um ranço de classe, de uma elite, de uma burguesia, que nunca aprendeu a conviver com o povo, uma elite que sequer admitiu a abolição da escravatura", afirma Bouolos. "Então, para eles, falar de Bolsa Família é revolução socialista, falar de investimentos sociais é algo inaceitável", diz. Segundo Boulos, o povo vai dar uma "resposta à altura, defendendo as reformas populares”.

Leia a íntegra da entrevista, feita antes da manifestação:

CartaCapital: Qual é o objetivo deste ato?
Guilherme Boulos: O ato tem dois propósitos. O primeiro é fazer o enfrentamento a essa direita atrasada que tem ido às ruas nos últimos meses defender posições inaceitáveis para maioria do povo brasileiro. Defender não só intervenção militar e impeachment, como também semear ódio aos pobres, racismo, homofobia. Isso não pode ser admitido, essa marcha vem para fazer contraponto e mostrar que os golpistas do Jardins tão colocando mil pessoas nas ruas. Nós vamos pôr 15 mil [pessoas] só para começar. Em segundo lugar, também tem o objetivo de pautar reformas populares no Brasil. O programa que foi eleito nas urnas tem de ser realizado. Era um programa de mudança popular. O programa que perdeu não pode imperar, é necessário que o povo deixe claro a importância das reformas estruturais, reforma política, reforma urbana, reforma agrária progressiva. Enfim, todos esses temas que estão travados na agenda brasileira há décadas por conta do impeditivo que as elites colocam no Congresso Nacional, no Judiciário, nas bancas. Nós queremos deixar claro que o anseio de mudança do povo é este. Não é uma coisa abstrata. A mudança são reformas estruturais no Brasil.

CC: Apesar de ter reunido pouca gente, essa parcela da população que pede impeachment e intervenção militar representa algum tipo de ameaça à liberdade da sociedade brasileira?
GB: Olha, só o fato de ter milhares de pessoas que não têm vergonha de mostrar a cara dizendo que defendem uma intervenção militar, um golpe militar, segregação do País, morte a nordestinos, morte a pobre, morte a homossexual, esse fato em si já é preocupante. Nós temos a clareza que esse sentimento é minoritário na sociedade brasileira. Um sentimento que vem de uma elite lá da Casa Grande. Um sentimento que é assimilado por uma classe média principalmente aqui no Sudeste, no Sul do País. Nosso ato vem para mostrar que a maioria da população não compactua com isso e condena esse tipo de percepção.

CC: Qual é a explicação para esse ódio? De onde vem esse ranço de uma parte da população em relação a nordestinos, classes sociais mais baixas e minorias?
GB: Esse é um ranço de classe, de uma elite, de uma burguesia, que nunca aprendeu a conviver com o povo. Uma elite que sequer admitiu a abolição da escravatura. Então, para eles, falar de Bolsa Família é revolução socialista. Falar de investimentos sociais é algo inaceitável. A elite brasileira é atrasadíssima e é ela que semeia esse ódio. Então o povo vai dar a resposta, e vai dar a resposta à altura, vai dar a resposta defendendo as reformas populares.

CC: O PSDB rejeitou a manifestação a favor do impeachment e da intervenção militar. Você acha que o Brasil pode um dia ver algum partido ou movimento nacional atrair essa extrema-direita, semelhante ao Tea Party dos Estados Unidos?
GB: Isso naturalmente é sempre um risco e é algo que os setores democráticos e populares da sociedade brasileira têm de estar atentos. Agora o importante é ponderar também que o discurso do PSDB é um discurso hipócrita. Rejeita isso num dia e, no outro dia, um ex-presidente do partido, o José Aníbal, publica citações de Carlos Lacerda incitando o golpe. E o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso faz declarações de ódio minimizando o povo nordestino. O PSDB, na verdade, tem vergonha de assumir suas posições que se assemelham à extrema direita

CC: Essa eleição presidencial ficou caracterizada pela divisão do País. Você acha que agora a presidenta Dilma vai fazer um mandato realmente progressista?
GB: Bom, primeiro, é o mínimo que se esperaria: ela realizar o programa de mudanças para o qual ela foi eleita. Agora é preocupante que os primeiros sinais da presidenta não tenham sido esses. Passou a campanha inteira dizendo que Marina Silva e Aécio Neves iam governar para os banqueiros e cogita o presidente do Bradesco [Luiz Carlos Trabuco] para ministro da Fazenda. Isso é inaceitável também. Esse ato também tem o sentido de dar o recado que o povo vai lutar nas ruas pelo programa que foi eleito nas urnas.