Você está aqui: Página Inicial / Política / ‘Sabe com quem está falando?’: as raízes de uma política nefasta

Política

‘Sabe com quem está falando?’: as raízes de uma política nefasta

por Jean Wyllys publicado 09/02/2015 19h32, última modificação 10/02/2015 21h00
Na arrogância de um deputado recém-eleito, toda a complexidade de um sistema que se recusa a se democratizar de verdade
Reprodução/Facebook
Arthur Virgílio Bisneto

Arthur Virgílio Bisneto: nome remete à tradição nobiliárquica dos tempos do feudalismo ainda persistente na esfera pública

Nesta prosaica nota jornalística, neste prosaico episódio noticiado abaixo, está ― sem que seu autor tenha necessariamente se dado conta disso ― toda a complexidade das relações sociais e políticas brasileiras, bem como as evidentes marcas dos eventos históricos que nos forjaram/forjam como nação (o colonialismo, a escravidão de negros e negras e a ditadura militar).

O deputado Arthur Virgílio Bisneto (PSDB-AM) recusa-se a usar um bottom de identificação de deputado e já foi barrado no Plenário da Câmara. O motivo: alega que seu pai e seu avô, que já cumpriram mandatos, nunca tiveram de fazê-lo, e quer manter a tradição.

A postura do novo deputado federal ― muita atenção ao nome dele, que remete à tradição nobiliárquica dos tempos do feudalismo ainda persistente na esfera pública ― é mais que um exemplo da faceta autoritária e hierárquica brasileira ― "Sabe com quem está falando?" ― à qual se refere o antropólogo Roberto DaMatta: a postura do deputado expressa um sistema político que se recusa a se democratizar, a se abrir e a mudar de verdade; expressa o quanto as jornadas de junho de 2013 foram mais uma catarse caótica que uma reivindicação clara e objetiva de mudança na representação política, já que, com aquela quantidade de gente (jovem!) nas ruas protestando "contra tudo isso que está aí", o mínimo que se deveria esperar dos eleitores era que estes elegessem representantes que não fizessem parte de ― nem sustentassem ― "tudo isso que está aí", como é o caso do novo deputado da notícia em questão.

Sua postura e arrogância revelam o triunfo da pior política brasileira, expressa na "renovação" conservadora do Congresso Nacional (em que a bancada de filhos, filhas e netos de políticos com muitos mandatos cresceu bastante) e na eleição de Eduardo Cunha para a presidência da Câmara, garantida mediante financiamento privado de campanha e de abertura de balcão de negócios. E expressa principalmente a ignorância motivada de uma maioria de brasileiros historicamente subtraída em tenebrosas transações políticas feitas por essa turma que está por cima desde sempre, ainda que vestida em diferentes peles e disfarces, mas que, manipulada pelo ângulo e edições das coberturas jornalísticas ou simplesmente arrastada pelo sabor do senso comum e da falta de discernimento, não vê que o problema da política no Brasil é justamente a existência de um deputado com essa tradição e comportamento.

Enquanto essa política nefasta vai ficando cada vez mais forte com a cumplicidade de eleitores comprados ou manipulados que, depois, vão para o Facebook e pro WhatsApp reclamar "dos políticos", sem separar joio de trigo, as pessoas e instituições que lhe sustentam (a essa política nefasta) insistem no discursinho fácil e desonesto de que a erradicação do PT da cena política será a solução para os males que nos afetam.

Não que o PT não tenha sua parcela de culpa ao ceder a essa política nefasta em vez de a ter enfrentado com coragem, mesmo que isso significasse a perda do poder. O PT tem sua parcela de culpa, sim (e está pagando o preço de ter cedido e se juntado aos porcos que hoje querem lhe atribuir a lama que produzem há décadas). Longe de mim fazer defesa dos erros do PT (ao contrário, quero que as pessoas do PT que erraram sejam punidas, mas não só elas).

Votei em Dilma no segundo turno e, por isso mesmo, tenho mais razões para apontar os equívocos de seu governo e fazer lhe cobranças do que as pessoas que votaram em Aécio Neves outro exemplar das capitanias hereditárias e da tradição nobiliárquica (ele é filho de Aécio Cunha e neto de Tancredo Neves). Contudo, a nefasta política que usurpa nossos recursos, liberdades e direitos sim, além de corrupta, essa política é falso-moralista e contrária às liberdades individuais seja pra afirmar a identidade sexual, seja pra fumar maconha por recreação essa política nefasta não é propriedade do PT nem da esquerda; está distribuída nos estados e municípios brasileiros (não só nos do Norte-Nordeste!) e está contida no episódio noticiado.

Querem mudar a política de verdade? Comecem pelo estudo de nossa história; passem pelo acesso a diferente fontes de informação e pelo exercício da interpretação dos fatos; e terminem por acompanhar, de perto, os mandatos dos que mereceram seus votos!