Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Time escolhe o 'manifestante' como a personalidade do ano

Internacional

Primavera Árabe

Time escolhe o 'manifestante' como a personalidade do ano

por AFP — publicado 14/12/2011 14h02, última modificação 14/12/2011 14h02
'Pensávamos que estes ditadores nunca seriam derrubados. E então estas pessoas arriscaram suas vidas', explicou editor da publicação
Time

A figura do "manifestante" foi escolhida como a "personalidade do ano" pela revista americana Time. Foto: AFP

NOVA YORK (AFP) - A figura do "manifestante" foi escolhida como a "personalidade do ano" pela revista americana Time, em um reconhecimento às pessoas de todo o mundo, em particular do Oriente Médio e norte da África, que saíram às ruas para lutar por seus direitos.

"Da Primavera Árabe a Atenas, do 'Ocupem Wall Street' a Moscou", afirma a revista na capa, que mostra um jovem com a metade inferior do rosto coberta por um lenço.

 

O editor da revista, Richard Stengel, que anunciou a escolha no programa "Today show" do canal NBC, explicou que a decisão homenageia "os homens e as mulheres de todo o mundo, em particular do Oriente Médio, que derrubaram governos e levaram um sentido de democracia e dignidade às pessoas que antes não os tinham".

"Estas são as pessoas que já estão mudando a história e que mudarão a história no futuro", completou Stengel.

"Pensávamos que estes ditadores nunca seriam derrubados. E então estas pessoas arriscaram suas vidas, arriscaram suas casas, sua sobrevivência, para sair às ruas e provocar uma mudança que ninguém esperava. É realmente algo transformador e acredito que está mudando o mundo para melhor", insistiu.

O ano de 2011 foi marcado pelos ventos de mudança procedentes do norte da África, onde manifestações populares para derrubar os regimes começaram na Tunísia e atingiram Egito, Líbia, Síria e Iêmen.

Os protestos, que terminaram muitas vezes em um banho de sangue, serviram de inspiração para pessoas frustradas na Europa e Estados Unidos com o crescente desemprego, o caos financeiro e a incapacidade dos governos para encontrar soluções à crise iniciada em 2008.

"Há um contágio de protestos. Porque o Irã antecipou o que aconteceria no mundo árabe e o que aconteceu no mundo árabe influenciou o 'Ocupem Wall Street', o 'Ocupem Oakland' e os protestos na Grécia e em Madri", disse.

Entre os finalistas deste ano estavam Kate Middleton, esposa do príncipe William da Inglaterra, e o almirante William McRaven, comandante do grupo SEAL dos marines americanos que matou Osama bin Laden em uma operação no Paquistão em maio.

Também foi citado o nome de Steve Jobs, um dos fundadores da Apple e cuja morte provocou comoção em todo o mundo, mas o nome foi descartado, já que este não foi o ano em que transformou a indústria tecnológica, disse Stengel.

Em 2010, a Time selecionou como "personalidade do ano" o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, que na época, com 26 anos, tornou-se o segundo mais jovem da história a receber a homenagem, atrás apenas do aviador americano Charles Lindbergh, personalidade do ano em 1927, quando tinha 25 anos.

A designação de "personalidade do ano" é uma tradição anual da revista Time desde 1927. A figura eleita ocupa a capa da edição de fim de ano da revista.

registrado em: