Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Surpresas papais

Internacional

Vaticano

Surpresas papais

por Redação — publicado 13/09/2013 09h36
Bergoglio acena a ateus, socialistas, teólogos progressistas e sinaliza estar disposto a discutir o celibato sacerdotal
Juan Barreto / AFP
Vaticano

O fim da mula-sem-cabeça? Parolin não tem medo de discutir o casamento de padres

Após a demissão de Tarcisio Bertone e a enfática campanha contra o ataque dos EUA à Síria, há sinais de que o Vaticano pode voltar a surpreender. O novo secretário de Estado, Pietro Parolin, disse em entrevista ao jornal venezuelano El Universal que o celibato sacerdotal não é um dogma e pode ser discutido. E o próprio papa disse aos ateus para seguirem sua consciência, que o Deus cristão os perdoará. Não são rupturas radicais com tradição, mas é de notar a mudança de ênfase e a falta de ressalvas.

Mas não é só. Ainda em março de 2013, o cardeal Jorge Mario Bergoglio, ao jornalista Chris Mathews da MSNBC, culpava os socialistas por “tirar o incentivo do homem para sustentar sua família” e por “70 anos de miséria” na América Latina, dizia temer a “tirania” dos “regimes socialistas” da Argentina, Equador, Bolívia, Venezuela e Nicarágua e proclamava que “essa gente dominada por socialistas precisa saber que não temos de ser pobres”.

Seis meses depois, o papa Francisco escolhe o 11 de setembro, 40° aniversário do golpe militar no Chile, para receber tanto o socialista chileno José Miguel Insulza, secretário-geral da OEA e correligionário de Allende, quanto o pai da Teologia da Libertação, o frei dominicano Gustavo Gutiérrez. Mais que isso, nos dias anteriores o jornal do Vaticano, L’Osservatore Romano, publicara artigo desse teólogo peruano que descreve os pobres como “preferidos de Deus”. Quem não acredita em milagres deve deduzir que o papa concluiu que suas posições como cardeal se tornaram insustentáveis caso deseje garantir um futuro à Igreja Católica.