Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Otan deixou imigrantes africanos à deriva no Mediterrâneo, denuncia jornal

Internacional

Europa

Otan deixou imigrantes africanos à deriva no Mediterrâneo, denuncia jornal

por Opera Mundi — publicado 09/05/2011 17h42, última modificação 09/05/2011 18h58
De acordo com The Guardian, episódio teria acontecido em março. Apesar de repetidos pedidos de socorro, não foi prestado auxílio a embarcação. Mais de 60 morreram

Por Marina Terra, do Opera Mundi

Sessenta e um imigrantes africanos morreram no Mar Mediterrâneo a bordo da embarcação em que viajavam em direção à Itália, após militares europeus e unidades da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) terem ignorado pedidos de ajuda, denunciou nesta segunda-feira (09/05) em sua edição on-line o jornal britânico The Guardian.

O episódio teria acontecido em março. Na ocasião, o barco -- que levava 72 pessoas, incluindo mulheres e crianças --, sofreu uma avaria após deixar o porto de Trípoli, na Líbia, com destino à ilha italiana de Lampedusa, ponto mais setentrional da Itália.

Apesar dos repetidos pedidos de socorro enviados à guarda costeira italiana e de um contato feito com um helicóptero e um navio de guerra da Otan, ninguém ajudou os imigrantes, segundo o jornal britânico. Eles ficaram à deriva por 16 dias.

"Cada manhã, ao acordarmos, encontrávamos mais mortos, que deixavamos a bordo 24 horas antes de jogá-los no mar", relatou ao Guardian Abu Kurke, um dos sobreviventes. Após dias de esforço, os refugiados conseguiram voltar para a cidade de Misrata, na Líbia, no último dia 10 de abril.

O direito marítimo internacional obriga todos os barcos, incluindo os militares, a atender chamados de socorro dos barcos que se encontram nas proximidades e prestar auxílio.

Por meio de um porta-voz, a Otan negou ter sido acionada pelos imigrantes. A organização disse ainda que seus navios estão prontos para atender qualquer pedido de ajuda e prometeu investigar as acusações feitas pelo Guardian.

Reação
Organizações de direitos humanos e de apoio a refugiados exigem que o caso seja investigado. A porta-voz do Acnur (Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados), Laura Boldrini, pediu maior cooperação entre militares e embarcações comerciais no Mediterrâneo para ajudar a salvar outras vidas.

"O Mediterrâneo não pode se tornar um 'velho oeste'. Aqueles que não ajudam pessoas em perigo em alto mar não podem continuar impunes", afirmou.

O diretor da organização de apoio a refugiados Habeshia, Moses Zerai, um padre natural da Eritreia (país do leste africano), que vive em Roma, chamou o incidente de "crime" e deu a entender que houve preconceito. Segundo o The Guardian, ele foi um dos últimos a manter contato com a embarcação antes do telefone por satélite dos migrantes ficar sem bateria.

"Houve uma falta de responsabilidade que acabou deixando mais de 60 mortos, incluindo crianças. Isso constitui um crime, e é um crime que não pode sair impune só por que as vítimas eram de origem africana e não turistas em um cruzeiro".

registrado em: