Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Otan assume comando dos ataques aéreos na Líbia

Internacional

Líbia

Otan assume comando dos ataques aéreos na Líbia

por Agência Brasil publicado 31/03/2011 10h24, última modificação 31/03/2011 10h24
O general canadense Charles Bouchard está à frente das operações na Líbia. As ações militares no país serão comandadas por uma força-tarefa da Otan, cuja sede ficará em em Nápoles, na Itália

Otan assume hoje comando dos ataques aéreos na Líbia
A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) assumiu nesta quarta-feira 30, nas primeiras horas do dia, o comando das operações militares internacionais na Líbia. A decisão foi tomada no último domingo 27. As forças de coalizão – sob o comando dos Estados Unidos, da França e Grã-Bretanha – comandam os ataques na região desde o último dia 19 sob a alegação de que é necessário impor uma zona de exclusão aérea na região.

O general canadense Charles Bouchard está à frente das operações na Líbia. As ações militares no país serão comandadas por uma força-tarefa da Otan, cuja sede ficará em Nápoles, na Itália. Desde a semana passada, a organização começou o processo de controle parcial dos ataques na região.

Para o ex--ministro da Imigração da Líbia Ali Errishi, os dias do regime do presidente líbio, Muammar Khadafi, “estão contados” após a deserção do ministro dos Negócios Estrangeiros, Moussa Koussa. Ontem (30) à noite, Koussa chegou a Londres depois de se demitir do cargo. A informação foi confirmada pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros da Grã-Bretanha.

Durante toda a noite passada, foram ouvidas explosões nos arredores da capital líbia, Trípoli, segundo relatos. Antes de terem sido ouvidas explosões na região de Salaheddine (nos arredores da capital), aviões sobrevoaram os subúrbios de Trípoli.

De acordo com testemunhas, os bombardeios visaram uma instalação militar nos arredores de Trípoli. A agência de notícias estatal da Líbia, Jana, informou que “instalações civis foram alvos de bombardeios do agressor da cruzada colonialista” em referência às forças da coalizão.

registrado em: ,