Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Na Tunísia, Femen protesta pela libertação de Amina Tyler

Internacional

Oriente Médio

Na Tunísia, Femen protesta pela libertação de Amina Tyler

por José Antonio Lima publicado 29/05/2013 17h32, última modificação 29/05/2013 17h38
Grupo feminista fez o que pode ter sido o primeiro protesto topless da história do mundo árabe
Fathi Belaid / AFP
Protesto do Femen na Tunísia

As três ativistas do Femen podem ficar presas por seis meses por atentado ao pudor

O Femen atacou de novo. Desta vez, o grupo feminista protestou na Tunísia, naquele que é, segundo a agência AFP, o primeiro protesto topless da história do mundo árabe. Duas francesas e uma alemã foram detidas pelas autoridades locais nesta quarta-feira 29 ao se postarem em frente a um tribunal em Túnis, capital do país, vestindo apenas pequenos shorts jeans.

A intenção do protesto era chamar atenção para o caso da tunisiana Amina Tyler. A garota, de 19 anos, ficou famosa ao publicar na internet, no fim de março, fotos dela própria com os seios de fora, com as inscrições "F... sua moral" e "Meu corpo pertence a mim e não é fonte de honra para ninguém". Amina foi ameaçada de morte por líderes ultraconservadores e acabou presa por pichação (ela escreveu "Femen" no muro de um cemitério) e posse de spray de pimenta. Nesta quinta-feira 30, Amina deve ser julgada e pode pegar até dois anos de prisão.

De fato, o Femen conseguiu chamar a atenção para o caso de Amina, mas dificilmente vai atingir seu outro objetivo: libertar a mulher árabe. A situação das mulheres no Oriente Médio é, em geral, verdadeiramente precária, mas este tipo de protesto é totalmente alienígena ao mundo árabe e muçulmano por ser uma importação. Com suas manifestações, as ativistas do Femen atrelam a nudez ao feminismo, isolando a causa nas sociedades árabes e criando obstáculos para os avanços conseguidos pelas feministas árabes.

A própria reação dos tunisianos nesta quarta-feira comprova os efeitos que o Femen consegue. De acordo com a AFP, alguns pedestres ficaram indignados com a manifestação e tentaram cobrir as três garotas. Alguns agrediram os jornalistas que filmavam e fotografavam o protesto, acusando-os de dar espaço para a indecência. É um retrato das liberdades na Tunísia, e das dificuldades enfrentadas pela mulher árabe. Como se vê, elas não precisam de mais ninguém para deslegitimar a causa feminista.