Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Ucrânia: manifestantes entram em confronto na Crimeia

Internacional

Ucrânia

Ucrânia: manifestantes entram em confronto na Crimeia

Em meio a embates entre manifestantes pró-Rússia e partidários da oposição que derrubou presidente, homem foi encontrado morto
por Redação — publicado 26/02/2014 16:34, última modificação 27/02/2014 05:58
Comments
ANATOLII BOIKO / AFP
ucrânia protestos

Homenagem a mortos nos protestos em frente ao Parlamento ucraniano, em Kiev

Manifestantes pró-Moscou e partidários da oposição ucraniana – voltada para a União Europeia – entraram em confronto nesta quarta-feira 26 em Simferopol, capital da Crimeia, região autônoma da Ucrânia no Mar Negro onde fica uma das mais importantes frotas navais da Rússia, depois da crescente tensão das últimas semanas que antecederam a destituição do presidente Viktor Yanukovych.

Em meio aos embates entre manifestantes favoráveis à permanência da Ucrânia sob a esfera de influência russa e partidários da "revolução" que derrubou Yanukovych durante o fim de semana, o corpo de um homem, aparentemente morto por um ataque cardíaco e sem apresentar sinais de violência, foi encontrado perto do Parlamento da Crimeia, em Simferopol. O corpo, disse o Ministério da Saúde da Crimeia em comunicado, não apresentava sinais de traumatismo.

Os confrontos ocorreram em Simferopol, a capital da República Autônoma da Crimeia, onde o presidente do Parlamento local descartou qualquer debate sobre uma eventual separação.

Mais de 5 mil pessoas se reuniram em frente ao Parlamento. De acordo com informações da AFP, de um lado havia tatars, membros de uma comunidade local de tradição muçulmana, que carregavam bandeiras ucranianas e gritavam "Ucrânia, Ucrânia!", enquanto do outro habitantes de língua russa exibiam bandeiras da Rússia e da Crimeia e gritavam "Rússia, Rússia!".

A manifestação se dispersou às 16h locais (11h de Brasília), após os pedidos de deputados locais.

Os pró-russos pedem um referendo sobre o status da Crimeia, no sul da Ucrânia, em meio às tensões separatistas que aumentaram com a destituição de Yanukovytch. A proposta de uma consulta sobre a saída da Crimeia da Ucrânia, no entanto, foi rejeitada pelo presidente do Parlamento da Crimeia, Volodymyr Konstantinov.

Histórico. Presentes desde o século XIII na Crimeia, os tatars foram deportados para a Sibéria e Ásia Central por Stálin, e retornaram após a queda da União Soviética (URSS) em 1991. Eles constituem 12% dos 2 milhões de habitantes da península.

A Crimeia, pertencente à URSS, foi adicionada à Ucrânia em 1954. Ela continua, no entanto, a abrigar a frota russa no Mar Negro.

*Com informações da AFP

registrado em: ,

Comentários

Todos os comentários são moderados, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Não serão aceitas mensagens com links externos ao site, em letras maiúsculas, que ultrapassem 1 mil caracteres, com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência. Não há, contudo, moderação ideológica. A ideia é promover o debate mais livre possível, dentro de um patamar mínimo de bom senso e civilidade. Obrigado.

comentários do blog alimentados pelo Disqus
Quatro anos pela frente

Quatro anos pela frente

Edição Atual | Anteriores

Revista Digital

Índices Financeiros
Moedas
Dolar Comercial +0.00% R$0,000
Dolar Paralelo +0.00% R$0,000
EURO +0.00% R$0,000
Bolsas
Bovespa +1,03% 56789
Nasdaq +1,03% 12340
Frankfurt +1,03% 38950

Especial Haiti

Diálogos Capitais