Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Liga Árabe pedirá o reconhecimento do estado palestino na ONU

Internacional

Conflito

Liga Árabe pedirá o reconhecimento do estado palestino na ONU

por Redação Carta Capital — publicado 14/07/2011 17h36, última modificação 14/07/2011 17h36
Bloco engrossa as fileiras de apoio à causa da Palestina e espera que resultado positivo destrave as negociações paralisadas desde 2008

A Liga Árabe anunciou que vai apoiar o plano palestino de obter reconhecimento integral como estado independente pela Assembléia Geral das Nações Unidas. Os ministros do exterior das nações que compõem a liga disseram, por meio de um documento divulgado nesta quinta-feira 14 no Catar, que seus países “tomarão todas as medidas necessárias e que buscarão apoio de todos os países do mundo, a começar pelos membros do Conselho de Segurança da ONU, pelo reconhecimento de uma Palestina independente”.

A liga é composta por países com maioria da população árabe no norte e nordeste da África e no Oriente Médio. Entre seus membros, figuram o Egito, Jordânia, Catar, Líbano e Marrocos.

O documento ainda afirma que “decidiu-se acudir às Nações Unidas para solicitar o reconhecimento do estado da Palestina com Jerusalém como capital”, demanda veementemente refutada pelo governo de Israel. O primeiro ministro Binyamin Natanyahu, com o apoio dos Estados Unidos, insiste que o reconhecimento de um estado palestino não poderá ocorrer de forma unilateral, e sim no âmbito das negociações entre Ramallah e o governo de Israel. Os palestinos consideram, no entanto, que o reconhecimento pela Assembleia Geral é o único meio de destravar as negociações de paz, congeladas desde o ano de 2008. Os palestinos dizem que não haverá negociações até que sejam paralisadas as construções de assentamentos judeus na Cisjordânia.

A votação deve ocorrer em setembro e, caso o plano palestino seja bem sucedido, irá contra os interesses dos Estados Unidos, que provavelmente vetarão o reconhecimento no Conselho de Segurança da entidade. Mesmo assim, alerta o jornal inglês Guardian, os palestinos poderiam recorrer a Assembleia Geral e solicitar seu reconhecimento como um estado observador não-membro, considerado um passo unicamente simbólico.

Até a votação, os palestinos realizam uma campanha principalmente na Europa para conseguir o apoio na Assembleia Geral. Tanto o El País quanto o israelense Haaretz estimam que ao menos 130 países dos 192 membros das Nações Unidas votariam pelo reconhecimento da Palestina. Entretanto, é fundamental que haja o apoio de potências européias como França e Inglaterra, de modo a deixar Israel e os EUA isolados na votação.

registrado em: