Você está aqui: Página Inicial / Internacional / "Hay una demonización de Chávez"

Internacional

Venezuela

"Hay una demonización de Chávez"

por Maxsuel Siqueira — publicado 30/11/2010 11h25, última modificação 30/11/2010 11h25
Há uma demonização de Chávez. Isto é fato. Por isso começo esta publicação com as aspas do jornalista e escritor Eduardo Galeano, autor de "As veias abertas da América Latina". Gaelano era um dos autores censurados no Brasil durante a Ditadura

Há uma demonização de Chávez. Isto é fato. Por isso começo esta publicação com as aspas do jornalista e escritor Eduardo Galeano, autor de "As veias abertas da América Latina". Gaelano era um dos autores censurados no Brasil durante a Ditadura.

Em entrevista ao Jornal El País, ele afirma: "Antes Cuba era la mala de la película, ahora ya no tanto. Pero siempre hay algún malo. Sin malo, la película no se puede hacer. Y si no hay gente peligrosa, ¿qué hacemos con los gastos militares? El mundo tiene que defenderse. El mundo tiene una economía de guerra funcionando y necesita enemigos. Si no existen los fabrica. No siempre los diablos son diablos y los ángeles, ángeles. Es un escándalo que hoy, cada minuto, se dediquen tres millones de dólares en gastos militares, nombre artístico de los gastos criminales. Y eso necesita enemigos. En el teatro del bien y del mal, a veces son intercambiables como pasó con Sadam Husein, un santo de Occidente que se convirtió en Satanás".

Uso Galeano como base para uma interpretação heterodoxa dos vídeos que se seguem. Nós, filhos do oligopólio midiático, temos medo de falar sobre Chávez. Do mesmo modo que muitos temiam (e ainda receiam) dizer que apoiam a terrorista-mor e comedora de criancinhas senhora Dilma Rousseff. Vivenciamos o império das agressões. No entanto, nesta entrevista para o programa "Hard Talk", da BBC, foi de outro império que falou Chávez ao abrir o estômago ulcerígeno do jogo político internacional. "Hard" mesmo foi pro tal do Stephen, o jornalista. Os comentários são por minha conta.

Stephen questiona a eficácia do socialismo frente aos problemas econômicos da Venezuela. Chávez retruca: "eu acredito que mais problemas tenha a Inglaterra; e Espanha (ri); e em toda a Europa. É um desastre! Mais problemas há nos Estados Unidos do que aqui. Aqui temos um crescimento econômico de 7,8% do PIB nos últimos anos, para te dar um exemplo".

‎(MAIS NA FRENTE) "Eu também acreditei na "Terceira Via". É uma farsa! Eu pensei que era possível pôr uma 'face humana' no capitalismo. Mas me dei conta de que não. Estava equivocado. Em um sistema capitalista é impossível a democracia. Capitalismo é o reino da injustiça e a tirania do mais ricos sobre os mais pobres."

(CITA ROUSSEAU:) "Between the powerful and the weak all freedom is oppressed". (CONTINUA) "Por isso o único caminho para salvar o mundo é através do socialismo, o socialismo democrático". Aqui não é ditadura. Eu sou eleito por três vezes... E quando o rico me tirou num golpe de estado, o povo me trouxe de volta ao poder. Eu sou um democrata. Governo com a legitimidade que me dá a maioria do povo. Esta é a palavra-chave: democracia, poder do povo." (E CITA LINCOLN:) "é o poder do povo, pelo povo e para o povo".

Stephen questiona se com a saída de Bush a relação da Venezuela com os EUA melhorou. Chávez responde: "eu espero que Obama se dedique a governar os Estados Unidos e esqueça suas pretensões imperialistas de controlar o mundo... Aqui na América Latina, na Colombia, estão instalando sete bases militares norteamericanas e este é um dos sinais muito negativos que Obama lançou logo no início de seu mandato..."

‎(MAIS NA FRENTE) "Bush decidiu em seu último ano de governo reativar a "Quarta Frota" para operar na América Latina, ameaçando, inclusive, incursionar em rios latinoamericanos. Agora, Obama devia ter suspendido isso. Do contrário, são sete bases militares só na Colombia. Se preparando para o quê? Para a guerra? Para dominar o continente latinoamericano?"

(QUESTIONADO SOBRE A RELAÇÃO COM O IRÃ) "Venezuela é um país livre e soberano para ter a relação política, diplomática, econômica com o país que a Venezuela quiser. E felizmente isto está ocorrendo hoje na maior parte dos países da América Latina e do Caribe. Por exemplo o Brasil, que também tem excelentes relações com o Irã e muitos outros países da AL. Não aceitamos ser uma colônia de ninguém, somos livres."

Num dos melhores momentos de toda a entrevista, Stephen pergunta sobre o ex-ministro da defesa na Venezuela, Raúl Baduel, o fato d'ele ter sido amigo de Chávez por muito tempo, depois preso e contrário a ele. Chávez dispara: "Eu acho que você não sabe nada do que está dizendo. Acho que você não tem estudado bem a situação que estamos vivendo aqui. Desculpe, Stephen, você está falando sobre um corrupto. Cite qualquer outro exemplo menos este. Você não está aqui para defender a corrupção, certo? (ri!) A BBC em Londres defende a corrupção? Você defende a corrupção na Inglaterra? Onde estão as pessoas corruptas na Inglaterra? Você as ataca ou as defende?"

Stephen pergunta também sobre a hostilidade na relação da Venezuela com alguns países vizinhos. Chávez nocauteia again: "Bem, são conjunturas. São eventos... Na Europa, quantos problemas não há entre vocês, europeus? Havendo guerras e sendo destroçados ingleses e franceses, invadindo um povo e outro, sendo bombardeados, os alemães...? A história da Europa é uma história violenta. E de sangue e de morte. Que história essa que vocês têm! A nossa é uma história distinta. Somos um mundo colonizado que tem despertado agora."

(CHEGANDO AO FIM) "Tudo que eu tenho de vida eu vou dedicar à revolução pacífica da Venezuela." (CITA CHURCHILL:) "Sangue, suor e lágrimas", fazendo referência ao estado em que pegou o país. (DEPOIS JIMMY CARTER:) "É o mais transparente do mundo", se referindo ao sistema democrático venezuelano. (FINALIZA) "E digo mais, eu me habilito a ocupar qualquer papel que a revolução exija de mim. Desde presidente até professor de escola primária. Eu sou filho de uma revolução."

Chávez e a Fox News

Repórter da FOX NEWS, leia-se, parte do império midiático de RUPERT MURDOCH (decorem esse nome), questiona Chávez quanto a sua amizade com Armadinejad. Chávez descasca: "Você de onde é?... Sabe como chamamos o pessoal da Fox News? Os estúpidos da Fox News! Você me pergunta sobre as mortes no Irã... e você, não tem visto as imagens do Iraque? Não tem visto como matam os soldados, as crianças... Você tem visto? Você tem visto isso? Você tem visto que teu canal de televisão tem tapado esse crime? Você não disse nada sobre o presidente que é um genocida, George Bush, que estão a apoiar. E estão criticando Obama porque ele é negro. Sua mente está cheia de veneno. Você não disse nada sobre o assassinato em Iraque, no Afeganistão e na América Latina... e não disse nada sobre o genocídio dos índios da América Latina. Vocês ocultam! Digam a verdade ao mundo. Eu sou amigo de meus amigos, mais nada."