Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Guerra de hipocrisias na Síria

Internacional

Oriente Médio

Guerra de hipocrisias na Síria

por Antonio Luiz M. C. Costa publicado 02/10/2015 18h55
A Rússia não diz toda a verdade sobre sua intervenção, mas o Ocidente não tem moral para se indignar
Dominick Reuter / AFP
Sergey Lavrov e John Kerry

Sergey Lavrov, o ministro do Exterior da Rússia, e John Kerry, o secretário de Estado dos EUA na ONU, em 30 de setembro: países disputam influência na Síria

Depois de chegar à beira do colapso, o acossado regime de Bashar al-Assad na Síria recebeu de Vladimir Putin uma oportunidade, talvez a última, de dar a volta por cima. Além do reforço em armas e aviões, obteve o apoio direto das forças armadas de Moscou contra os rebeldes.

Na quarta-feira 30, pela primeira vez, caças Su-24M e Su-25 com a insígnia da Força Aeroespacial Russa bombardearam posições próximas das cidades de Homs e Hama. Contando com esse apoio aéreo, tropas iranianas e do Hezbollah se preparam para participar de uma ofensiva terrestre do exército sírio e o governo lançou uma campanha de recrutamento que visa principalmente as mulheres, dada a falta de homens em idade militar.

EUA e Israel receberam aviso prévio da ação russa e o Kremlin pediu ao Pentágono para não voar na Síria nesse dia. Apesar de os EUA terem dito não acatar ordens russas, na prática atenderam ao pedido e efetuaram apenas um pequeno ataque perto de Alepo, em vez das dezenas de bombardeios diários dos dias anteriores.

Segundo o governo russo, seu objetivo é apoiar o governo legítimo de Damasco contra todos os “grupos terroristas”, mas nessa operação visou apenas alvos do Estado Islâmico. Isso parece improvável, pois a organização de Abu Bakr Al-Baghdadi tem pouca presença nessa área e suas forças se concentram muito mais a leste. Segundo o senador norte-americano John McCain, os ataques foram “contra o ‘nosso’ (sic) Exército Sírio Livre ou grupos que foram armados e treinados pela CIA, porque temos comunicação com pessoas de lá”.

Ato falho à parte, vale notar que segundo o Washington Institute for Near East Policy (Winep), ligado aos interesses dos EUA e de Israel, as áreas bombardeadas são controladas pela Jabhat al-Nusra (filial da Al-Qaeda na Síria) pelo Ahrar al-Sham (força fundamentalista financiada por sauditas) e por grupos “independentes”. Os objetivos aparentes são eliminar bolsões rebeldes que ameaçam Homs e Latakia (litoral) e reabrir a estrada para Alepo.

Ao menos os dois primeiros grupos são de fato tidos como terroristas e foram bombardeados pelos EUA e seus aliados em outras ocasiões. Também é verdade que cooperam em certas ações contra Assad com as forças supostamente laicas do Exército Sírio Livre, mas seu objetivo é idêntico ao de Al-Baghdadi: criar um Estado Islâmico. É sintomático que se tenha tornado tão difícil distinguir os aliados do Ocidente da Al-Qaeda, supostamente o alvo principal de quatorze anos da famigerada “Guerra ao Terror”.

A imprensa ocidental repercutiu a denúncia da oposição síria sobre a morte “a sangue frio” de cerca de 30 civis pelas bombas russas e descreveu em pormenores crianças feridas e pessoas mortas ou desaparecidas debaixo de escombros. Segundo a Rússia, a acusação foi divulgada antes mesmo de seus aviões decolarem das bases. Mas mesmo que seja verdadeira, é curioso como tais preocupações desaparecem ou se reduzem a vagas estatísticas quando se trata dos danos colaterais de ataques ocidentais no Oriente Médio. Na própria Síria, pelo menos dez outros países participaram de ações semelhantes, que naturalmente também atingiram civis: EUA, Reino Unido, Canadá, França, Austrália, Turquia, Israel, Emirados e Jordânia.

Apesar dos protestos do Ocidente, a Rússia reforça seu prestígio na região enquanto os EUA acumulam fracassos. Os poucos “rebeldes moderados” sírios treinados pela CIA para lutar contra o Estado Islâmico desertaram, foram massacrados ou entregaram as armas ao inimigo, como também aconteceu ao exército iraquiano treinado e equipado pelo Pentágono.

Irã
O presidente iraniano Hassan Rohani, em seu discurso na ONU na segunda-feira 28: Teerã apoia Assad

O primeiro-ministro do Iraque apoiado por Washington, Haider al-Abadi, fez saber ao mundo que daria as boas-vindas aos aviões russos, caso estejam dispostos a ajudá-lo contra os fundamentalistas e os russos criaram em Bagdá um centro de coordenação e compartilhamento de informação que une Moscou, Damasco, Bagdá e Teerã.

Dado que o acordo nuclear entre EUA e Irã, mesmo que seja bem-sucedido, está longe de garantir uma real normalização das relações de Teerã com o Ocidente, é muito duvidoso que Barack Obama e seus sucessores consigam afastar os iranianos de Putin. Seria irônico se a aventura que começou com o apoio dos EUA aos jihadistas afegãos para combater a União Soviética e continua com sua ajuda direta ou indireta a outros fundamentalistas para tentar eliminar Assad e a influência do Irã acabasse por levar à hegemonia de Moscou em toda a região. Mas não está claro qual o objetivo da Rússia, nem se tem recursos e disposição para escalar sua presença na Síria até infligir uma derrota decisiva aos rebeldes. É possível que pretenda apenas criar uma situação mais favorável para negociar.

O chanceler russo Sergei Lavrov deu a entender, mais de uma vez, que a renúncia de Assad a médio prazo é negociável, bem como a participação do Exército Livre Sírio em um futuro governo. Dois objetivos são, porém, muito claros: a Rússia quer um acordo suficientemente favorável aos baathistas sírios para se projetar como um aliado confiável e não abre mão da permanência de sua base naval no litoral sírio, a única no Mediterrâneo.

Para garanti-la, não só a reforçou com pelo menos 1,7 mil combatentes, como desembarcou na Síria caças e mísseis antiaéreos de última geração, comparáveis aos dispostos em sua própria fronteira europeia para repelir bombardeios ou uma eventual invasão da Otan. Assim como na Crimeia, o Kremlin não dá ponto sem nó, não se deixa passar para trás e não receia usar a força em questões estratégicas quando as julga vitais. Se for preciso, chegará ao confronto, com o risco de criar situações como a da crise dos mísseis de Cuba de 1962.