Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Snowden: Bolívia, Nicarágua e Venezuela ofertam asilo

Internacional

Desafio aos EUA

Snowden: Bolívia, Nicarágua e Venezuela ofertam asilo

por AFP — publicado 06/07/2013 14h46, última modificação 07/07/2013 19h04
Evo Morales: "Digo aos europeus e aos americanos: vamos dar asilo se este norte-americano perseguido por seus compatriotas nos pedir. Não temos nenhum medo"
AFP
evo e friends.jpg

Evo Morales, Nicolas Maduro e Rafael Correa em Cochabamba (Bolívia) no último dia 4 de julho

LA PAZ (AFP) - O presidente da Bolívia, Evo Morales, afirmou neste sábado que oferecerá asilo ao fugitivo americano Edward Snowden se ele solicitá-lo, em um discurso durante um ato popular em Oruro (sudoeste).

"Como protesto quero dizer aos europeus e aos americanos: agora vamos dar asilo se este norte-americano perseguido por seus compatriotas nos pedir. Não temos nenhum medo", disse o presidente.

Além disso, Morales afirmou estar disposto a conceder asilo "por razões humanitárias aos perseguidos politicamente por denunciar espionagem do governo dos Estados Unidos".

O WikiLeaks, que fornece apoio a Snowden, informou que ele solicitou asilo a 27 países.

A chancelaria da Bolívia disse não ter recebido um pedido neste sentido.

Venezuela e Nicarágua, por sua vez, se declararam na sexta-feira dispostas a conceder asilo a Snowden, bloqueado há 14 dias na zona de trânsito do aeroporto de Moscou.

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, herdeiro político do falecido Hugo Chávez, afirmou durante um ato de celebração da independência da Venezuela que ofereceria "asilo humanitário ao jovem Snowden (...) para proteger este jovem da perseguição desatada pelo império mais poderoso do mundo".

E em Manágua o presidente Daniel Ortega também se pronunciou para conceder asilo, confirmando que a embaixada da Nicarágua em Moscou já recebeu um pedido neste sentido por parte de Snowden.

Snowden, um ex-consultor da Agência Nacional de Segurança (NSA) americana, está foragido da justiça de seu país, que o acusa de espionagem por ter vazado à imprensa um programa de vigilância mundial de Washington.