Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Em palestra no ABC, Lula defende Edward Snowden

Internacional

Em palestra no ABC, Lula defende Edward Snowden

por Marsílea Gombata publicado 18/07/2013 18h29, última modificação 26/06/2015 09h12
Ex-presidente afirma que a ONU "não representa nada" e que ex-espião dos EUA "presta serviço à democratização"
Ricardo Stuckert / Instituto Lula

Em um auditório lotado por estudantes e acadêmicos na Universidade Federal do ABC (Ufabc), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu o ex-consultor de inteligência americano Edward Snowden, atualmente buscando asilo político na Rússia. “Esse cara merece respeito pelos serviços que está prestando à humanidade e pelas denúncias que fez”, disse. “Esse rapaz está prestando um serviço à democratização, às liberdades democráticas e à autodeterminação dos povos, denunciando comportamentos que não são aceitáveis por um país presidido por um homem como o [Barack] Obama.”

A fala de Lula encerrou os quatro dias da conferência 2003 – 2013: Uma nova política externa lembrando episódios durante o seu mandato, de 2003 a 2010. Segundo ele, seu governo impediu que a Alca se concretizasse no continente e “provou” que era possível acabar com a fome no Brasil e no mundo.

Lula lembrou também da sua primeira vez na Casa Branca como chefe de Estado: “Eu tava ali no Salão Oval e o Bush falando de terrorismo. Eu tinha poucos dias como eleito, e o presidente mais importante que eu tinha visto na minha vida era o presidente da Volkswagen. Então imagina como eu estava”, lembrou ao arrancar risos da plateia. Ele lembra, no entanto, que a política externa de seu governo “fez questão” de não se curvar a Bush e os EUA, definido por ele como “xerife do mundo”. “Aprendi no sindicato dos trabalhadores: ninguém respeita quem não se respeita. Ninguém respeita lambe botas, quem puxa o saco.”

Segundo o ex-presidente, ao se impor nas negociações diplomáticas, o Brasil passou também a ter credibilidade e respeito por potências globais. “A verdade é que nós não éramos levados a sério. Mas não éramos porque não nos respeitávamos. Nesse país, por muito tempo, uma parte da elite dirigente, tinha complexo de vira lata. Nem queria disputar para ser igual, já se achava inferior."

Chanceler Sua agenda na política externa, marcada pela aproximação com a África e os países árabes e pela retomada com países da América Latina, foi creditada em boa parte ao ex-chanceler e atual ministro da Defesa Celso Amorim. “Não poderia fazer uma política externa assim se não tivesse a sorte de encontrar o Celso Amorim como meu ministro das Relações Exteriores. Conversei com três ou quatro pessoas para escolher o ministro. Quando terminei a audiência com Celso pensei: ele tem um pouco a minha cara, é mais simples, mais humilde. Começamos a trocar ideia e, sem nunca ter conversado com ele, tínhamos afinidade em grande parte das coisas.”

Na palestra marcada por piadas e aplausos, o ex-presidente também criticou a ONU e seus mecanismos de diálogo. “A ONU hoje não representa nada. É lamentável que hoje não se tenha um fórum para tomar decisões”, reclamou. “Espero que um dia os EUA compreendam que quanto mais gente estiver na mesa de negociação mais chance nos temos de construir a paz.”.