Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Em Havana, reaproximação com EUA é pouco sentida

Internacional

Cuba

Em Havana, reaproximação com EUA é pouco sentida

por Deutsche Welle publicado 15/04/2015 03h43, última modificação 15/04/2015 03h55
Turismo cresceu, e empresas americanas anunciaram investimentos, mas na capital cubana ainda há poucos sinais do degelo nas relações bilaterais
Andreas Knobloch/DW
Havana

Segundo uma operadora de turismo de Nova York, houve aumento de 250% nas reservas em março para Cuba

Por Andreas Knobloch, de Havana (md)

O número de turistas em Cuba disparou desde que Havana e Washington iniciaram o reatamento das relações diplomáticas, interrompidas desde 1961. Uma operadora de turismo de Nova York relatou um aumento de 250% nas reservas em março.

Para muitos americanos, a nação caribenha era uma "ilha proibida". Viagens para lá a partir dos EUA ainda são complicadas, mas as restrições foram relaxadas recentemente. Muitos querem aproveitar a última chance para ver a "velha" Cuba – antes que filiais de Starbucks e McDonald's comecem a mudar o cenário e que os velhos carros da era Eisenhower desapareçam de Havana.

Enquanto os turistas tendem a ver Cuba com visão romântica, sem reconhecer que a ilha socialista vem mudando há anos, para muitos cubanos, a mudança não acontece rápido o suficiente. E os anseios são muitos: restauração de prédios danificados; maior setor privado; mais opções de viagem; uma melhor internet; salários mais elevados; e o fim do embargo comercial dos EUA.

E a economia dos EUA também aguarda ansiosa. Novos voos entre Nova York e Havana foram inaugurados recentemente. Várias empresas de transporte marítimo estão aguardando o sinal verde. A Airbnb, baseada em San Francisco, oferece também alojamentos privados em Cuba, mesmo que inicialmente apenas para os viajantes dos Estados Unidos. Empresas como Netflix, Google e Apple já anunciaram que entrarão no mercado cubano. O otimismo impera.

Mas a aproximação não ocorre tão rapidamente quanto muitos esperam. Um bom exemplo das dificuldades é o diálogo sobre a questão dos direitos humanos, considerado um dos capítulos mais delicados e que mais chama atenção da opinião pública. Em 31 de março, ocorreu uma primeira reunião sobre o assunto em Washington. Foi quando as grandes diferenças de opinião entre os dois lados se mostraram mais claramente. Os EUA exigem de Cuba, sobretudo, melhorias na liberdade de expressão e de reunião.

Já Cuba fala de filosofias diferentes de democracia e direitos humanos e anunciou que também deseja falar sobre violações dos direitos humanos nos Estados Unidos. Por exemplo, sobre as ações na prisão de Abu Ghraib, em Bagdá; na pequena Ferguson, onde um jovem negro morreu baleado por um policial; e na sua vizinhança imediata, a base militar de Guantánamo. Os cubanos também destacam suas próprias realizações no setor social, como o acesso gratuito a saúde e educação.

Outra questão controversa é a Venezuela. O presidente Barack Obama declarou, por decreto, em 9 de março, o aliado mais próximo de Cuba como uma ameaça para a segurança nacional americana, estipulando sanções contra autoridades venezuelanas. A medida foi repudiada duramente pelos membros da Alba, uma aliança de 11 países da América Latina e do Caribe, incluindo Cuba.

A líder americana das negociações com Cuba, Roberta S. Jacobson, apazigua, argumentando que a classificação da Venezuela como uma ameaça nacional "causou algum ruído de fundo, mas não tem impacto sobre as negociações". Atualmente, pelo menos, não há evidências de que a liderança em Havana venha a suspender as negociações por causa da Venezuela.

As duas primeiras rodadas de negociações, em janeiro e fevereiro, deixaram claras as profundas diferenças entre os dois países, embora ambos os lados tenham falado de um "diálogo positivo e produtivo". Depois de décadas de desconfiança e diante de tantas questões em aberto, não haverá soluções rápidas.

Por isso, em primeiro lugar, as negociações abordam pontos onde uma unidade é mais provável de ser alcançada. Estes incluem a expansão da cooperação em segurança da aviação e a luta contra epidemias, medidas contra o terrorismo e o tráfico de drogas, telecomunicações, entre outros temas.

"Sei que parece que ainda não conseguimos nada, mas depois de 50 anos de desconfiança, temos feito um grande progresso", disse Jacobsen. "A opinião pública não vai perceber muita coisa, até abrirmos as embaixadas." A primeira meta é inaugurar representações diplomáticas nas capitais de ambos os países.

Mas parece mais que duvidoso que isso seja possível – como almejado pelos Estados Unidos – antes da cúpula da Organização dos Estados Americanos (OEA), que começa nesta sexta-feira na Cidade do Panamá.

No entanto, uma rápida abertura das embaixadas seria um sinal forte para o tal novo começo que Obama havia anunciado aos líderes da América Latina na cúpula de Trinidad e Tobago, em 2009, como então recém-eleito presidente dos EUA. No Panamá, todos se lembrarão de suas palavras naquela ocasião.

Um obstáculo para uma maior aproximação ainda continua no caminho: a lista de Washington de Estados que apoiam o terrorismo, da qual consta Cuba. É difícil imaginar que ocorra uma restauração das relações diplomáticas enquanto Cuba estiver nesta lista, como a chefe da delegação de Havana, Josefina Vidal, vem deixando claro desde o início das negociações.

O presidente cubano, Raúl Castro, já ressaltou, em seu discurso em meados de dezembro, que uma normalização das relações só é possível com o fim da política de bloqueio dos Estados Unidos e a devolução de Guantánamo.

No que toca a lista sobre o terrorismo, é possível que em breve haja novidades. Segundo Roberta Jacobsen, a análise sobre a permanência de Cuba nessa lista já está "avançada".

Há fortes indícios de que haverá uma aproximação em pequenos e cautelosos passos. "O fator tempo pode ainda ter um papel importante nas negociações", acredita o ex-diplomata cubano e cientista social Carlos Alzugaray, lembrando que o presidente Obama só permanece apenas mais um ano e meio no cargo, e Raúl Castro anunciou o fim de seu mandato para 2018.

No próximo fim de semana, no Panamá, Obama e Castro se sentarão pela primeira vez numa mesma mesa. Um sinal de esperança para o início de uma nova era. Não só para Cuba e os Estados Unidos, mas para toda a América.

Logo DW