Você está aqui: Página Inicial / Internacional / As razões da guerra

Internacional

Somália

As razões da guerra

por Gabriel Bonis publicado 10/10/2011 10h22, última modificação 10/10/2011 11h15
País africano enfrenta crise de fome e conflitos internos pelo poder, mesmo sem fartura de riquezas naturais

Os conflitos internos perduram há décadas na Somália, tendo derrubado inclusive o último governo oficial do país em 1991. A derrocada do então presidente Siad Barre, aliado da União Soviética e propagador de uma política autoritária com perseguições e tortura a opositores, deu-se pela ação de clãs rivais.

No entanto, os mesmos foram responsáveis pelo atual estado de anarquia vivido pelo país africano. A discordância sobre o substituto de Barre provocou uma batalha pelo poder entre os grupos, ameaçada apenas pela recente ascensão de grupos islamitas, como o Al-Shabab, lidado a al-Qaeda.

Nas duas últimas décadas ocorreram 14 conferências para tentar estabelecer um novo poder central, capaz de selar a paz entre as milícias armadas. Contudo, o insucesso desperta a atenção, pois, além de razões políticas, não há aspectos claros para manter os conflitos.

Afinal, como é comum na África, o país não possui fartas riquezas naturais a fomentar a discórdia, a exemplo do que ocorre no Sudão. Há, porém, reservas de minério de ferro, estanho, gipsita (gesso natural), bauxita, urânio, cobre e sal inexploradas, além de uma vaga suspeita da existência de reservas de petróleo e gás.

Uma eventual rivalidade étnica também não poderia ser atribuída aos conflitos, pois 85% dos habitantes da Somália são somalis, divididos entre clãs que brigam pelo poder.

Pobreza

Criada em 1960, a partir da fusão de um protetorado britânico e de uma colônia abdicada pela Itália, a Somália é um dos países mais pobres do mundo. Devido à falta de dados confiáveis, sequer figura no Índice de Desenvolvimento Humano da ONU.

Segundo a organização, a expectativa de vida no país em 2010 era de 50,4 anos, menor que no Níger, 167º colocado no ranking que reúne 169 nações.

O país de 637,6 mil quilômetros quadrados, o equivalente ao tamanho dos estados de Minas Gerais e Rio de Janeiro juntos, possui 9,9 milhões de habitantes vivendo com um PIB per capita de 600 dólares (1.068 reais), ou 1,6 dólar por dia (cerca de 2,8 reais). No Brasil, esse valor chega a 10 mil dólares por ano (17,8 mil reais).

Sem constar no quadro de integrantes da Organização Mundial do Comércio, a Somália produziu 5,09 bilhões de dólares (cerca de 9 bilhões de reais) em riquezas em 2010, basicamente com as indústrias de telecomunicação, têxtil e de pesca, segundo estimativas da CIA, agência de inteligência norte-americana. Esse valor, no entanto, é inferior a 10% do PIB gerado apenas pela cidade de São Paulo em 2008: 102,4 bilhões de dólares (cerca de 182,2 bilhões de reais).

A baixa produtividade da economia somali está também ligada ao alto percentual da população na faixa etária entre 0 a 14 anos (44,9%), a mais vulnerável e que não gera riqueza. A mortalidade infantil é uma das mais altas do mundo: 109,6 a cada mil nascimentos, contra 2,8 da Suécia.

Mergulhado na pobreza e enfrentando a pior seca dos últimos 60 anos, a Somália assiste ainda ao crescimento das milícias islâmicas, que desde 2006 tomaram o Sul do país, região que conta com 99,9% de muçulmanos.

Na terça-feira 4,  o Al-Shabab realizou um atentado na capital Mogadíscio, deixando ao menos 100 mortos e centenas de feridos. O ataque seria uma retaliação pela sua expulsão da cidade em agosto por forças do governo de transição e das tropas de paz da União Africana, no país para estabilizar a nação e estabelecer um governo democrático permanente em agosto de 2012.

Enquanto isso, a ONU alerta para as consequências da crise de fome que atinge mais de 4 milhões de pessoas e pode matar outras 750 mil nos próximos meses.

Além da falta de recursos para solucionar a crise de fome no Chife da África - composto ainda por Etiópia, Djibouti, Quênia e Uganda -, estimados em 2,5 bilhões de dólares, dos quais faltam 671 milhões, a ajuda humanitária não consegue chegar a todas as regiões do país por causa dos bloqueios e ataques de milícias islâmicas.

A seca também provocou o aumento de 260% nos preços de cereais em relação a 2010 e impulsionou uma migração em massa para Mogadíscio, que chegou a receber mais de 400 mil pessoas em busca de alimentos em agosto.

Os países vizinhos também recebem um elevado fluxo de refugiados somalis fugindo da fome e dos conflitos internos. Segundo o ACNUR, Alto Comissário da ONU para refugiados, há cerca de 850 mil somalis sob os cuidados da organização, além de 1,5 milhão de deslocados internos.

Piratas

Em meio aos problemas sociais e políticos, a Somália também virou alvo da atenção internacional nos últimos anos pela atuação violenta de piratas. O país está em uma das mais importantes rotas navegação do mundo e responde por 30% dos ataques deste tipo.

Com o sequestro de diversos navios comerciais e até de um petroleiro saudita, as Marinhas de vários países deslocaram forças para a região e a Organização do Tratado de Atlântico Norte (OTAN) também passou a realizar operações de controle para evitar novos ataques.

Segundo o diário americano The New York Times, os lucros da pirataria somali em 2008 chegaram a 50 milhões de dólares. Os piratas possuem equipamentos avançados para suas operações, como lança granadas, fusis AK 47, GPS e telefones por satélite. Os pedidos de resgate geralmente ficam entre 1 a 2 milhões de dólares.

registrado em: