Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Boca de urna aponta Petro Poroshenko como novo presidente da Ucrânia

Internacional

Eleições

Boca de urna aponta Petro Poroshenko como novo presidente da Ucrânia

por Deutsche Welle publicado 25/05/2014 16h01
Magnata de 48 anos teria obtido 55,9% dos votos, bem à frente da segunda colocada, a ex-primeira-ministra Yulia Timoshenko. Grande parte das seções eleitorais no leste do país permaneceu fechada
Sergei Supinsky / AFP
poroshenko

Magnata é conhecido como o "rei do chocolate"

Pesquisas de boca de urna realizadas neste domingo 25 apontam o magnata Petro Poroshenko como novo presidente eleito da Ucrânia, com 55,9% dos votos. Conhecido como "rei do chocolate", Poroshenko, 48 anos, teria assegurado maioria absoluta ainda no primeiro turno, bem à frente da ex-primeira ministra Yulia Timoshenko, em segundo lugar com apenas 12,9% dos votos.

Diante do clima tenso, por conta dos confrontos violentos entre separatistas no leste do país e tropas leais a Kiev, 100 mil policiais e voluntários foram mobilizados para garantir a segurança durante o dia de votação. Cerca de 1,2 mil observadores internacionais fiscalizaram a movimentação nas urnas.

Ainda assim, houve registro de episódios violentos durante o dia. Uma pessoa morreu e outra ficou ferida em um tiroteio ocorrido em uma seção eleitoral na localidade de Novoaidar, na região separatista de Lugansk – controlada por grupos rebeldes pró-Rússia. A informação foi confirmada pelo vice-ministro ucraniano do Interior, Serguei Iarovoi.

Um porta-voz da autoproclamada República Popular de Lugansk, porém, afirmou que soldados ucranianos dispararam sobre dois membros de uma comissão eleitoral que tinham se recusado a abrir uma seção.

A vice-presidente da Comissão Eleitoral Central (CEC) da Ucrânia, Zhanna Usenko-Chornaia, disse que os rebeldes lutaram com as forças ucranianas para tentar ficar com as cédulas de voto e impedirem a realização das eleições presidenciais.

Segundo a CEC, em Lugansk foi possível votar em apenas duas das 12 circunscrições eleitorais locais, enquanto na "república popular independente" de Donetsk, houve votação em apenas nove das 22 zonas.

 

  • Edição: Marcio Damasceno