Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Atentados suicidas contra igreja no Paquistão deixam ao menos 61 mortos

Internacional

Terror

Atentados suicidas contra igreja no Paquistão deixam ao menos 61 mortos

por AFP — publicado 22/09/2013 10h40
Foi um dos piores ataques contra cristãos no país, comunidade que representa 2% da população local
A. MAJEED/APF
paquistão.jpg

Cristãos paquistaneses e autoridades em frente à igreja em Peshawar após atentados.

Ao menos 61 pessoas morreram e 120 ficaram feridas neste domingo 22 em um duplo atentado suicida em frente a uma igreja na saída da missa em Peshawar, em um dos ataques mais sangrentos contra cristãos no Paquistão.

O ataque, que ainda não foi reivindicado, ocorreu ao meio-dia local em Peshawar, a principal cidade do nordeste, uma região atingida frequentemente por atentados atribuídos em grande parte aos rebeldes islamitas talibãs.

"O número de mortos subiu para 61. Há 120 feridos", declarou à AFP Mohamed Iqbal, um médico do hospital Lady Reading. O balanço anterior era de 53 mortos e 100 feridos.

Trata-se de um dos ataques mais mortíferos cometidos contra cristãos no Paquistão, comunidade que representa 2% da população deste país de 180 milhões de habitantes, em sua maioria muçulmanos.

O funcionário da administração da cidade Sahibzada Annes disse à imprensa que as bombas explodiram logo após o fim da missa.

"A maioria dos feridos está em situação crítica", acrescentou o funcionário.

Os dois terroristas suicidas acionaram seus cinturões de explosivos quando os fiéis saíam da missa.

O noroeste é uma região onde imperam muitos grupos rebeldes islamitas, entre eles o Movimento dos Talibãs do Paquistão (TTP), autores de inúmeros atentados que já deixaram mais de 6.000 mortos desde 2007.

As autoridades sabiam que esta igreja poderia ser atacada e mobilizaram forças de segurança ao seu redor, acrescentou Anees.

"Estamos em um local que é alvo potencial para os terroristas; foram tomadas medidas especiais para proteger estas igreja. Ainda estamos na fase de socorros, mas quando terminar investigaremos para saber o que falhou", disse.

Nazir Khan, professora de 50 anos, disse que a missa havia terminado e que 400 fiéis estavam saindo da igreja quando ocorreu uma primeira explosão.

"Uma enorme explosão me lançou no chão e assim que recuperei meu sentidos uma segunda bomba explodiu", disse Khan à AFP.

Imagens de televisão mostravam ambulâncias transferindo os feridos a hospitais locais.

Familiares das vítimas se aglomeravam em frente à igreja. Alguns gritavam frases hostis à polícia, considerada incapaz de deter as ameaças.

O primeiro-ministro paquistanês, Nawaz Sharif, condenou firmemente este atentado. "Os terroristas não têm religião. Atacar inocentes é contrário aos preceitos do islã e de todas as outras religiões. Estes atos terroristas mostram o estado de ânimo brutal e desumano dos terroristas", disse em um comunicado.

O governo de Sharif propôs recentemente negociações de paz com os talibãs do TTP para colocar fim à violência.

A violência entre fanáticos religiosos aumentou nos últimos anos no Paquistão, com uma série de atentados suicidas contra a minoria muçulmana xiita (20% da população) reivindicados pelo grupo armado sectário Lashkar-e-Jhangvi, próximo ao TTP e à Al-Qaeda. Mas até agora os cristãos não haviam sido atacados desta forma sangrenta.

registrado em: