Você está aqui: Página Inicial / eleicoes 2014 / Segundo turno: debate na Band
Segundo turno: debate na Band

Segundo turno: debate na Band

por Clarice Cardoso publicado 14/10/2014 16h22, última modificação 21/10/2014 16h16
Aécio Neves (PSDB) e Dilma Rousseff (PT) participam de debate na Band às vésperas do segundo turno nas Eleições 2014

Dilma encerra sua fala: "Tenho um compromisso verdadeiro com os trabalhadores, para garantir suas conquistas e seus ganhos. Quem tem apoio político para fazer as reformas que o Brasil precisa? Quem tem firmeza para garantir a projeção no cenário internacional? Quem tem capacidade de gerar novo ciclo de crescimento para um País mais moderno, mais competitivo? Eu acredito que o fundamento desse novo tempo é a pós-graduação, da creche à pós-graduação. Quero uma segurança em que todos participem. Quero um programa de mais especialidades."

No último bloco, Aécio faz suas considerações finais e agradece a Beto Albuquerque e Feldman, da Rede. Fala também a Renata Campos e a Marina Silva. "Tenha certeza de que eu saberei a cada dia dos próximos quatro anos honrar cada compromisso que juntos assumimos."

Aécio: "O seu governo perdeu a capacidade de ganhar confiança. Sem investimento, não há emprego. E os mais penalizados serão os mais pobres, e os detentores dos programas de transferência de renda. Isso passa por mudanças de atitudes de um governo que possa reconhecer seus equívocos"

Sobre a criação de empregos, Aécio começa respondendo que Dilma volta ao discurso do medo. "Há medo de o PT governar por mais quatro anos. Há medo de os empregos irem embora, porque, se o país não cresce, não se criam empregos. É o pior desempenho da indústria em 50 anos. Vou resgatar a credibilidade do País. Nós temos a capacidade, pela capacidade que já demonstramos no passado, de acenar para um futuro diferente. Não sei porque lhe incomoda tanto eu dizer que no DNA do Bolsa Família está o PSDB. Está aqui."

Dilma responde dizendo que o programa não tem nenhum parentesco com nenhum dos programas tucanos.

Dilma: "Eu acredito que o Brasil precisa avançar, e esse avanço é fundamental que seja feito. Mas não temos que ficar mudando os fatos. Queria voltar a uma questão que considero importante, porque nenhum dos governos tucanos fizeram creches em números suficientes. E acho estarrecedor que o senhor venha falar para mim de creches."

Dilma: "O senhor acaba de ter uma condenação no STF por ter concordado sem concurso funcionários públicos que, se não me engano, prestam serviços na área da educação. O senhor não pode usar pesquisas para contestar o resultado das urnas. O senhor perdeu no seu estado. Nós temos de deixar claro para o eleitor que estamos falando de Minas Gerais por conta da sua gestão. E também que eu saí de Minas, mas não saí a passeio. Saí porque fui perseguida pela Ditadura Militar que posteriormente me deteve por três anos. O Brasil precisa de políticas sociais consistentes. Há acúmulo de atraso. Não investiam em mobilidade urbana."

Aécio abre o quarto bloco. "Todos os brasileiros percebem a baixíssima qualidade dos serviços públicos. Eu introduzi a meritocracia. Por que o governo federal não buscou incorporar nada que privilegiasse o serviço de boa qualidade na área administrativa".

Dilma volta à carga na questão de Minas

A presidenta voltou a atacar a gestão de Aécio Neves em Minas Gerais, apresentando dados relativos ao aumento dos homicídios, que estão no Mapa do homicídio, e à educação. Em duas ocasiões, corrigiu posicionamentos do ex-governador voltando a atacar o oponente.

Dilma: "Essa história das creches está muito mal contada. O senhor parece que não entende do assunto. Quantas crianças estão nas pré-escolas? 89%. Por isso é possível universalizar o acesso até 2016. E estamos fazendo esforço enorme para colocar crianças de 0 a 3 na escola. O senhor não sabe que se faz creche em parceria com município, repassando verbas para o município e fazendo manutenção enquanto eles não recebem verbas do Fundeb..."

Aécio: "Nossa proposta começa exatamente por cumprir uma promessa que não foi cumprida pela candidata oficial, que foi construir as 6 mil creches prometidas. E nós estabelecemos a meritocracia, avaliação por desempenho. O professor recebe um bônus, e toda a cadeia também. O grande desafio é enfrentar a qualidade no ensino médio."

 

Aécio pergunta a Dilma sobre educação, e ela rebate: "O senhor não vai querer que eu diga que a responsabilidade pelo Ensino Médio é do Estado. E acredito que é fundamental reformar os currículos tanto do Ensino Fundamental como o Ensino Médio."

"Saí de Minas com alta aprovação. Eu vejo essa sua propaganda que quem conhece Aécio não conhece Aécio. As pesquisas mostram que estou com dez pontos de vantagem no estado", afirma Aécio.

"Confuso é o senhor, candidato, porque os 52% de aumento nos homicídios no seu estado está no Mapa da Violência, que é um documento oficial. O senhor tem que responder por isso, assim como tem que responder uma pergunta que a imprensa está fazendo: quanto foi investido em propaganda nas emissoras que o senhor detém em Minas Gerais?", provoca Dilma.

Aécio acusa Dilma de fazer perguntas confusas, e afirma: "Os crimes de homicídio no estado diminuíram 48%. Minas foi o estado que proporcionalmente mais investiu em segurança pública de toda a nação. O Governo Federal o que diz? Terceiriza responsabilidades."

"Se formos fazer um exame de DNA do Bolsa Família o pai será FHC e a mãe será nossa Ruth Cardoso", responde Aécio.

"O senhor passou de todos os limites. Estamos no terreno da lenda, da fábula. O povo brasileiro jamais vai aceitar isso. Vocês jamais aplicaram dinheiro em grandes programas sociais", responde Dilma.

"Não concordo com isso, candidato. O senhor vai reduzir os bancos públicos, porque é o que sempre diz", diz Dilma. "É uma leviandade tratar a questão de Cuba dessa forma. Aliás, no governo FHC fizeram o mesmo financiamento do BNDES para vender ônibus. Nós fizemos a empresas brasileiras, e não a Cuba, para vender serviços de engenharia contra Cuba. Não condicionamos nossos programas a medidas impopulares. Desculpe, mas não fizemos um Bolsa Família para 5 milhões, fizemos para 50 milhões. O Minha Casa, Minha Vida é o maior programa habitacional do Brasil até hoje."

Aécio: "Quero falar sobre os programas sociais. É claro que não vamos acabar com os programas sociais. É claro que não vamos privatizar os bancos públicos, vamos saneá-los. Sobre o Banco Central, que tal tirar o carimbo de secreto no financiamento feito a Cuba?"

"Não houve no seu governo esforço melhor para que os investimentos de segurança pública fossem investidos na totalidade", responde Aécio, acrescentando que publicou em seu site a prestação de contas de saúde de Minas Gerais.

"Candidato, eu estou falando de violência contra a mulher, replica Dilma. "Nós encaminhamos toda a política de proteção à mulher vítima de violência. A Casa da Mulher Brasileira está sendo construída em todos os estados e reúne todas as instâncias. No Minha Casa Minha Vida, no Bolsa Família, nós valorizamos as mulheres. No Pronatec, a maioria são mulheres".

"Ninguém pode querer roubar para si o crédito por uma lei que é fruto de uma discussão tão ampla da sociedade", afirma Aécio. "Temos que nos apoiar nos lugares que não têm apoio na violência contra a mulher. O que tenho dito é que as políticas públicas para terem resultado não precisam ser conduzidas por um carro preto com placa verde e amarelo. Sei que temos muito a avançar, ter salário mais justo, e na questão da violência pública o seu governo fracassou. Os próprios fundos, seja penitenciário ou de segurança, até mesmo dentro da delegacia de proteção à mulher, não chegam."

Dilma abre o terceiro bloco retomando o que foi dito antes do intervalo: "Leviano foi o senhor. Gostaria de saber agora como o senhor vê a questão da violência contra a mulher. Se o senhor olhar a questão da violência contra a mulher, o senhor seria capaz de extinguir a secretaria que as protege no Governo Federal?"

Dilma aposta em acusações de corrupção

A presidenta listou uma série de escândalos, como reeleição, Pasta Rosa, escândalos de trens e Mensalão Tucano em Minas, como estratégia neste segundo bloco do debate. Além disso, acusou o concorrente de nepotismo, sem que este respondesse à questão diretamente.

Dilma: "O senhor está enganado. O MP não aceitou a denúncia criminal, mas recomendou a investigação por impobridade administrativa. Eu acredito que o senhor deveria responder porque tem uma irmã, um tio, três primos e três primas no governo..." Aécio responde já sem sorrir e acusa a presidenta de fazer campanha com mentira atrás de mentira. "Os brasileiros estão aqui para responder o que vamos fazer. Eu trago aqui indignação."

"Essa obra de Claudio que a senhora insiste em citar de forma leviana, foi feita em área desapropriada em desfavor de um tio-avô meu, numa região próspera. Esse senhor de mais de 90 anos de idade reivindica mais de 9 milhões de reais por esse terreno. Se a senhora tivesse mais intimidade com Minas Gerais saberia que todas essas obras, inclusive asfálticas, foram consideradas corretas pelo Ministério Público".

Dilma: "Gostaria que o senhor explicasse por que as coisas que elenquei são diferentes e o que ocorreu em Claudio quando o senhor construiu um aeroporto na fazenda de um familiar". "Como o senhor explica ter construído um aeroporto que hoje custaria 18 milhões de reais, e construído num terreno de seu tio. Isso não foi denunciado por mim, mas pela Folha de S.Paulo. Quero saber também sobre o aeroporto de Montezuma, que fica no estado de Minas."

Aécio afirma que Dilma não respondeu à sua pergunta, sobre quais foram os bons serviços prestados por Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras.

Dilma: "Considero que é fundamental que o País pare de ter impunidade. Nós mudamos essa realidade. Duas leis aprovadas no meu governo no ano passado dão base a esse processo de investigação da Petrobras: a lei 1.230, que garante independência do delegado; a outra, a 2.850, que regulou justamente a delação premiada. Aonde estão os envolvidos no caso Sivam? Todos soltos. Os envolvidos na compra de votos para a reeleição? Todos soltos. Os envolvidos na Pasta Rosa? Todos soltos. Os envolvidos no escândalos de trens? Todos soltos. Os envolvidos no Mensalão Tucano? Todos soltos. É isso que eu não quero."

Aécio para Dilma: "Seu governo perdeu a capacidade de conseguir investimentos. O seu governo chega ao final de forma melancólica, porque fracassou na economia, nos indicadores sociais e nas denúncias de corrupção que assustam a todos os eleitores. Fico nesse tema. Todos nós acordamos a cada dia surpresos com novas denúncias. em relação à Petrobras é algo inacreditável. eu vi um momento de indignação da candidata em relação a isso: no vazamento dos depoimentos. Não vi a mesma indignação em relação aos conteúdos desses vazamentos. No momento que um diretor nomeado pelo seu governo devolverá milhões, assumindo que roubou."

"Os programas que o senhor cita são pequenos, locais, não se comparam a algo do tamanho do Pronatec. Quanto à previsibilidade, eu pergunto: previsibilidade para quem? só para crescer em número de desempregados em relação ao mundo? Vocês conseguiram ter mais de 11 milhões de desempregados apenas em 2002", responde Dilma.

Aécio responde a questão de Dilma sobre o Pronatec. Aécio volta a responder dando risadinhas. "Estou curioso por sua obsessão com o ministro Armínio Fraga, que foi elogiado por Palocci e Lula. É a história. Felizmente eu já tenho um nome que sinaliza para previsibilidade da política econômica. Essa é a diferença entre nós, já que a senhora tem apenas seu ex-ministro da Fazenda. A educação é essencial na busca de um futuro melhor. Um orgulho que tenho na vida foi ter levado Minas a ter a melhor educação do Brasil. O Pronatec é bom, mas precisa ser aprimorada. Precisamos de cursos técnicos de maior duração. O Pronatec é uma inspiração nas Etecs do governador Geraldo Alckmin. Eu me orgulho muito de ter contribuído a inspirar o seu programa."

Dilma: "Candidato, não fui quem escolheu esse ministro. Como é que, com o mesmo cozinheiro, com os mesmos ingredientes, vão entregar um prato diferente? Quando ele chegou, a inflação estava sob controle. Quando ele deixou, não estava. Nós estamos vivendo um momento especial, e tenho certeza que no ano que vem a inflação estará em 6,5%"

"Candidato, eu sugiro que a gente pare de discutir quem está mentindo e quem está falando a verdade", afirma Dilma. "Sugiro que o eleitor busque nos arquivos de jornais quem está mentindo. Nós mantivemos a inflação controlada dentro dos limites da meta. É claro quando há um choque de clima, isso significa pressão sobre a inflação. Como é profundamente passageiro, a inflação volta para o limite superior da meta. O senhor se esqueceu do que aconteceu no governo FHC. O senhor elegeu um ministro que permitiu o aumento dos juros. Nós investimos profundamente na criação de empregos, na valorização dos salários, diminuindo dívidas. Nós mantivemos emprego, salário e continuamos investindo. No passado, o desemprego era extremamente graves."

Aécio Neves faz a primeira pergunta do segundo bloco: "Há mais de um ano venho reiterando a importância de pensar a inflação. Agora, seu governo disse que o povo terá de parar de comer carne, e comer ovo. Essa será sua política econômica."

Aécio Neves faz a primeira pergunta do segundo bloco: "Há mais de um ano venho reiterando a importância de pensar a inflação. Agora, seu governo disse que o povo terá de parar de comer carne, e comer ovo. Essa será sua política econômica."

Saúde e acusações dominam primeiro bloco

A situação da saúde no estado de Minas Gerais e a campanha nas redes sociais foram os principais assuntos do primeiro bloco do debate na Band. Aécio acusou a campanha de Dilma de plantar acusações mentirosas em diversos meios, enquanto Dilma citou reiteradamente a situação da saúde no estado governado por Aécio e das contas públicas sob Armínio Fraga.

Dilma responde a Aécio: "Não coloque no meu governo essa boa avaliação do seu estado. Minas é o terceiro pior estado no atendimento do Samu. Além disso, quando seu candidato a ministro da fazenda vocês estavam com uma dívida em torno de 28%, e ele saiu do governo em torno de 60%. A segunda maior dívida dos estados brasileiros é o de Minas Gerais, governado pelo senhor."

Aécio Neves volta a citar que seu estado tem uma das melhores saúdes do sudeste e a falar do governo FHC. "Os subsídios para o Minha Casa, Minha Vida vão aumentar inclusive em setores que a senhora não conseguiu, que é a faixa de três salários mínimos."

Dilma responde: "O senhor distorce todos os fatos e distorce a realidade. Vocês dizem que se consideram o Bolsa Família quando fizeram um programa que não dava conta de toda a realidade brasileira. Nos bancos públicos, o seu candidato a ministro da fazenda diz que não sabe o que ficará deles. O BNDES empresta para a indústria e para a infra-estrutura. O Banco do Brasil é o banco que faz toda a política para o setor agrícola. Fico impressionada com o fato de vocês quererem reduzir o papel da Caixa no setor habitacional. Sem a Caixa, não há Minha Casa, Minha Vida. Vocês têm dois pesos e duas medidas: nunca fizeram programas sociais de peso".

A campanha nas redes sociais é o tema da pergunta de Aécio Neves para Dilma Rousseff, acusando-a de disseminar ataques contra seus adversários.

Aécio volta a sorrir ao responder: "Não repita números sem saber, não faça essa campanha. O Ministério da Saúde do seu governo é quem diz que Minas Gerais tem uma das melhores saúdes do País. Nós vamos retomar o programa Saúde da Família, que a senhora abandonou. Não podemos aceitar essa discriminação odiosa em relação aos médicos cubanos, que recebem um terço do salário dos demais. "

Dilma responde: "As únicas propostas sociais que o senhor apresenta são continuidade de projetos meus. Vocês desviaram 7,6 milhões da saúde. Aliás, em Minas vocês não cumprem os principais programas de saúde. Como o SAMU, que lá tem o terceiro pior desempenho do País, e 45% da população não tem Samu."

Aécio responde: "Na verdade, Minas Gerais é considerado pelo Ministério da Saúde do seu governo como o estado que tem melhor saúde no Sudeste. Na verdade, quando o PT assumiu, 56% dos investimentos em Saúde Pública vinham do governo federal. Hoje são 40%." diz. "É claro que queremos continuar com os bons programas, eles não têm dono. O Bolsa Família vai continuar. A impressão que eu tenho é que nós temos dois candidatos de oposição. Não temos candidatos de continuidade."

Dilma para Aécio: "Vocês na oposição votaram contra a CPMF, e a saúde brasileira perdeu 260 bilhões de reais. Quando o governo de Minas foi dirigido pelo senhor, vocês não cumpriram o que manda a constituição, que é destinar um mínimo para a saúde. Sua proposta inviabiliza completamente o programa Mais Médicos. O que o senhor acha da minha proposta de criar o programa Mais Especialidades?"

"A grande realidade é que o Brasil avançou muito ao longo das últimas décadas, desde a estabilização da moeda no governo FHC", afirma Aécio Neves ao começar sua fala. "A verdade é que, nos últimos quatro anos, o Brasil parou de melhorar", acusa, elencando recessão econômica, piora de indicadores sociais e falta de credibilidade como alguns dos fatores que ficarão de herança para o próximo governo.

Dilma faz a primeira pergunta, afirmando que, nesta eleição, dois projetos de País estão se enfrentando. "Neste novo ciclo, haverá prioridade para a educação, que estará no centro de tudo. Da creche à pós-graduação, daremos extrema importância ao ensino", afirma. "Tiramos 32 milhões de pessoas da pobreza, uma Argentina inteira."

O mediador Ricardo Boechat dá início ao debate entre Dilma Rousseff e Aécio Neves

Ambos os candidatos já se encontram a postos nos estúdios da Band. Antes, a emissora exibe entrevistas com eles. O debate começará a qualquer momento.

A petista e o tucano participarão de quatro debates no segundo turno. O próximo acontece na quinta 16, no SBT. No domingo 19, eles se encontram na TV Record. Dois dias antes da eleição, no dia 24, os dois estarão na TV Globo.

Nesta terça acontece o primeiro debate entre Dilma e Aécio. Será às 22h, na Band. A partir das 20h30, contudo, você conversa ao vivo sobre eleições com os jornalistas da CartaCapital. mande suas perguntas e comentários pelo Twitter, usando ‪#‎CartaNasEleições‬. A transmissão começa 20h30 na home.