Você está aqui: Página Inicial / Educação / Para entender o imbróglio do FIES

Educação

Ensino Superior

Para entender o imbróglio do FIES

por Luis Nassif publicado 18/03/2015 12h49, última modificação 10/06/2015 19h28
O fechamento do governo à qualquer demanda externa impediu que o MEC identificasse a tempo as distorções que apareceram no programa de financiamento estudantil
Bloco/Flickr
Fies

O mais novo problema do governo Dilma - a crise do FIES - começou no ano passado

O mais novo pepino do governo Dilma - a crise do FIES (Fundo de Financiamento Estudantil) - começou no ano passado.

A intenção do FIES é permitir que os alunos de escola pública tenham acesso ao ensino superior, mesmo objetivo do REUNI (Reestruturação e Expansão das Universidades Federais).

***
Foram dois programas históricos, montados após longos debates, que abriram o ensino superior para uma legião de alunos de baixa renda.

Nos últimos dois anos do primeiro governo Dilma, o fechamento da gestão à qualquer demanda externa impediu que o MEC (Ministério da Educação) identificasse a tempo as distorções que apareceram no programa.

***
Por problemas com impostos, grande parte das escolas não tinha como acessar o FIES. Dilma lançou um programa, então, que permitia que quitassem as dívidas com as bolsas do FIES em um prazo de 15 anos.

Havia a obrigatoriedade de quitar 10% no primeiro ano, nenhuma exigência para o ritmo de amortização nos 14 anos seguintes.

O governo lançava certificado, a escola pagava uma parte com impostos e outra parte dos certificados governo comprava.

Mas quem estabelecia o preço da mensalidade era a própria escola, em lugar de ser o FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação).

Já os alunos têm 18 meses de carência após a formatura, e o dobro do prazo do curso para quitar o financiamento. O valor é pré-fixado. Pagam-se os juros do período, limitados a R$ 50,00 por trimestre e a prestação não é corrigida.

***
Aí começaram a aparecer as primeiras distorções.

Grande parte das faculdades embute um fator de risco nas suas mensalidades. O caso mais notório foi da UNIESP, alvo de uma CPI. Sua mensalidade era de R$ 1.000,00. Mas o aluno que pagava em dia, tinha um desconto de 80%, pagando apenas R$ 200,00. Com o FIES, a escola passou a cobrar R$ 1.000,00, sem risco, porque garantido pelo Tesouro.

Matrículas promocionais, descontos, tudo foi deixado de lado e as escolas passaram a oferecer ao FIES o chamado preço de vitrine.

Mais que isso, as faculdades estimularam os alunos – mesmo os que podiam pagar – a aderir ao FIES. Em 2014 houve aumento de 7% no número de matrículas no curso superior e 480% no número de alunos pelo FIES.

Todos os alunos da UNIESP passaram a ser do FIES. O curso de pedagogia cobra mensalidades de R$ 1.200,00, mesmo o campus sendo em Guaianazes, região pobre de São Paulo.

***
Em 2013 as faculdades passaram a correr para o FIES. Em 2014, houve o estouro da boiada, uma bolha no mercado de ações. Grandes gestores – como Pátria e BTG – entraram no jogo. Só o Kroton, um dos grandes grupos do mercado, recebeu $ 1 bilhão do FIES, um terço do seu faturamento.

Houve uma corrida às faculdades, que tinham seus preços fixados pelo número de alunos, com enorme aumento da concentração do setor.

***
Quando se deu conta do problema, o governo Dilma agiu com o mesmo voluntarismo: suspendeu todo o programa de uma vez. As faculdades deixaram de intermediar as matrículas e os alunos ficaram na mão.

***
O caminho natural seria o MEC – ou a Casa Civil – convidar todos os personagens para uma reunião – associações de escolas, federações de professores, ONGS etc. – para buscar uma soluções consensual.

Mas seria pedir muito.