Você está aqui: Página Inicial / Educação / As universidades e as propostas para uma crise econômica

Educação

Ensino Superior

As universidades e as propostas para uma crise econômica

por Soraya Smaili publicado 04/08/2015 05h06, última modificação 04/08/2015 16h54
A política econômica não está 'ouvindo' o pensamento crítico e a tradição de pesquisa das universidades; prefere a lógica que visa o mercado e o ajuste fiscal que contraria a lógica do desenvolvimento
Cecília Bastos/USP Imagens
Universidades

As universidades têm longa tradição de pesquisa e ciência e são capazes de produzir propostas e caminhos para a solução

Após o primeiro semestre do novo governo Dilma, novas análises sobre a política econômica e sobre o chamado ajuste fiscal precisam ser refeitas. Certamente, as impressões de hoje são mais pessimistas e críticas do que as de seis meses atrás e precisamos analisar retrospectivamente, para que uma análise mais concreta possa ser feita e sirva de base para propostas mais efetivas de melhora no cenário. 

Está claro agora que em 2014 encerramos um ciclo na economia que representava um período "neodesenvolvimentista". O modelo aplicado até 2013 produziu relativa paz social no período de dez anos, porém apresenta um esgotamento.

A crise econômica e a ausência de propostas dão lugar a um início de 2015 com um programa de ajuste fiscal anunciado e colocado em andamento já nos primeiros dias do ano. Desde então, muitas projeções foram enunciadas; o início do ajuste fiscal foi apresentado como temporário. Porém, está claro agora que poderá durar todo o ano de 2015 e boa parte de 2016.  

Diante de um cenário de desalento e das ameaças vindas de um Congresso Nacional que busca negar ou inviabilizar a constituição de 1988, a universidade pública terá uma grande responsabilidade. É um dos poucos espaços capazes de resistir ao retrocesso que poderá ocorrer devido à perda de direitos sociais. Vivemos um cenário de um ajuste fiscal, uma economia que entra na recessão e que abre espaço para uma agenda conservadora e regressiva. 

Diante disso, o que podemos e devemos propor?

Como professores universitários, cientistas e membros de uma comunidade acadêmica que ainda é afeita (embora atualmente muito menos do que outrora), temos o dever de ofício, além do dever cidadão, de refletir sobre o problema, como também de buscar e propor soluções.

Não é de hoje que a universidade, em especial a universidade pública, faz a crítica e procura manter de forma autônoma a reflexão e a proposição. Ainda somos muito capazes de fazê-lo, muito embora os governos das últimas décadas não tenham colocado a universidade em seu lugar social estratégico. 

As universidades têm longa tradição de pesquisa e ciência e são capazes de produzir propostas e caminhos para a solução. A política econômica de 2015 não está "ouvindo" o pensamento crítico e vem sendo desenvolvida com a lógica que visa o mercado e o ajuste fiscal em curso contraria a lógica do desenvolvimento e do crescimento.

As universidades podem ainda colaborar de outras formas, especialmente na reversão do incômodo social que estamos vivendo devido à falta de perspectiva. Por estarem voltadas ao conhecimento, as universidades buscam também soluções. E o fazem com compromisso político, preocupadas com os processos democráticos e com os direitos sociais.

É preciso, portanto, reverter esse cenário. Conhecer a conjuntura, resistir perante o desânimo, usar toda a capacidade de reflexão e de formulação para a busca de soluções. Assumir o lugar estratégico que a universidade deve ter e propor à sociedade uma aliança contra o atraso, contra o conservadorismo e a perda de direitos. Organizar uma frente contra o ajuste fiscal e pelos direitos sociais.

Propor uma economia que retome o crescimento, o desenvolvimento e a capacidade de investimento na indústria e na recuperação da infraestrutura. Para isso é necessário remodelar substancialmente a estrutura tributária, com impostos sobre operações financeiras, a diminuição do rentismo, nova política para exportação de commodities e taxações sobre grandes fortunas, para citar alguns. Uma economia contracíclica que gere um ciclo virtuoso de crescimento e empregos. 

As universidades podem propor, podem executar, podem mobilizar. Por isso, é estratégico que não sofram cortes orçamentários, pois já vivem em seu limite. Que não tenham a sua capacidade pensante limitada pela falta de recursos financeiros. Que não sofram retrocessos acadêmicos que poderão levar anos ou décadas para recuperar.

A educação tem muito a contribuir para o crescimento e o desenvolvimento de um país. A universidade em particular está apta a gerar uma agenda estratégica de pensamento e proposição para o país. Façamos isso, ainda é tempo. Assim, a pátria será educadora e se beneficiará do que a educação pode realmente fazer pela nação.