Você está aqui: Página Inicial / Economia / Pensemos o próximo passo

Economia

Paulo Daniel

Pensemos o próximo passo

por Paulo Daniel — publicado 31/12/2011 16h45, última modificação 06/06/2015 18h57
Enquanto a economia mundial está em crise, o Brasil cresce; ainda é necessário ampliara democracia do país, construindo a participação popular com a democratização de seus orçamentos

É mais do que comum, chega a ser entediante, ler, ouvir, ver as previsões para o próximo ano. No que diz respeito a economia, então, a maioria dos jornalistas praticamente transformam os economistas em astrólogos, futurólogos ou algo que o valha tentando desvendar o que acontecerá com o dólar, quanto crescerá a economia etc. Com a chegada do fim de cada ano, observa-se que todos erraram. Por quê?

Por uma razão muito simples, encaram a economia como uma ciência exata, desenvolvem um modelinho econométrico e, ao manter a temperatura e pressão constantes, desvendam como será o futuro do mundo. Acontece que, nesses modelos não cabem movimentos sociais e políticos com a primavera árabe ou a ocupação de Wall Street e muito menos os rechonchudos bônus do mercado financeiro. Portanto, os modelinhos estão falidos. Neste sentido, o máximo o que nós, economistas, podemos observar ou comentar são somente tendências.

A tendência mundial é de crise. Entretanto, não quer dizer que a economia brasileira passará pela mesma agrura, mas também não estará imune das oscilações globais; em o governo federal sabendo ponderar as políticas fiscal e monetária conseguiremos enfrentar a tormenta com altivez.

Se a tendência é essa, qual então o próximo passo? Primeiro; não podemos nos iludir se somos ou não a sexta ou a sétima economia mundial. É preciso pensarmos sim, na qualidade desse crescimento. Diferentemente do milagre econômico, agora estamos crescendo com distribuição de renda e riqueza, haja vista, os aumentos reais e consecutivos do salário-mínimo, do bolsa–família, do minha casa minha vida etc. Mas ainda são muito tímidos e limitadores em um futuro não muito distante. Nunca é demais lembrar: 0 estrutura da política econômica adotada nos últimos 17 anos é a mesma.

É verdade que a exploração da camada de pré-sal poderá mudar a realidade da economia brasileira, entretanto, ainda não está devidamente claro qual caminho percorremos, se é da utilização desmensurada da abundância de divisas e, por sua vez, a dependência da renda petroleira ou se será a construção da cidadania e do futuro com educação, saúde, tecnologia, ampliação e fomentos em pesquisa e desenvolvimento principalmente para o setor industrial brasileiro.

Se quisermos dar o próximo passo, precisamos ampliar a democracia no Estado brasileiro em todas as esferas construindo a participação popular com a democratização de seus orçamentos, para tal; é mais do que necessário vontade política, não somente de quem governa, mas principalmente de quem se beneficia do Estado, ou seja, trabalhadores(as), aposentados(as), estudantes, empresários(as) etc. Após pouco mais de 20 anos de ditadura militar e mais outros vinte e tantos de redemocratização e democracia política, estaríamos preparados para desempenhar essa tarefa?

Ao julgar pela “nova classe média” muito dificilmente; pois é extremamente difícil e complicado discutir política, economia e sociedade com indivíduos que trabalham de 10 a 14 horas por dia, tem dois ou mais empregos, na maioria das vezes, sem sindicatos que os defendam ou não sindicalizados, estudam a noite enquanto trabalham durante o dia, vivem para trabalhar e para consumir um pouco daquilo que não podia antes.

Por isso, é importante sermos capazes de construir novas condições macroeconômicas, particularmente no que diz respeito a câmbio, juros e uma autêntica política industrial e tecnológica. Estamos diante de uma rara oportunidade histórica para implementar um novo padrão de desenvolvimento nucleado pela retomada da industrialização nos marcos da terceira revolução industrial e ambiental e acompanhado de avanços equivalentes nos serviços produtivos.

Ao mesmo tempo, é mais do que urgente a reestruturação dos serviços públicos de educação, saúde, saneamento, habitação, transporte coletivo, segurança pública entre outros. E é o Estado que tem a responsabilidade de prover estes serviços e equipamentos.

Além do que, avançar na reforma agrária e no desenvolvimento da agricultura familiar, uma vez que, grande parte dos miseráveis encontra-se no campo. Só assim será possível a elevação significativa dos rendimentos que resultará na pretendida melhora da estrutura social.

Por fim, é necessário destacar, elevar as condições de consumo e renda, significa também, apropriar-se de conhecimentos e desenvolver potencialidades que habilitam o(a) cidadão(ã) a entrar em outro universo simbólico e de valores, pois poderá ser a partir daí, que o futuro econômico e político do Brasil contemporâneo venha a sinalizar o seu conservadorismo ou o seu progresso.