Você está aqui: Página Inicial / Economia / Natura e Eike Batista, os vencedores da noite

Economia

As Empresas Mais Admiradas 2011

Natura e Eike Batista, os vencedores da noite

por Redação Carta Capital — publicado 31/10/2011 21h39, última modificação 01/11/2011 11h29

Como ocorreu em sete das últimas oito premiações, a Natura é eleita a empresa mais admirada do Brasil. Entre os líderes empresariais, Eike Batista, o homem mais rico do País e homem-forte do Grupo EBX, é considerado o empresário mais respeitado do Brasil em 2011. Esses são os grandes vencedores do prêmio As Empresas Mais Admiradas do Brasil em 2011, promovido pela CartaCapital.

Eike Batista: 'Serei o homem mais rico do mundo até 2015'
Mino Carta: 'Lula vai ganhar mais esta batalha'
André Esteves: 'O Brasil precisa colocar os pés na economia real, não na financeira'
Antonio Maciel Neto: 'O Brasil não aproveita toda sua criatividade por falta de estrutura'

A trajetória da Natura é impressionante na premiação. Entre 2004 e 2011, a empresa paulista de cosméticos só não ficou com o primeiro lugar em 2008 - mas obteve a segunda colocação. Para Paulo Secches, coordenador da pesquisa das Mais Admiradas, entende que a excepcional performance da empresa comandada por Guilherme Leal ocorre por conta de sua percepção inovadora do mercado. Foi uma das primeiras empresas a ter um discurso voltado para a responsabilidade social, comprometimento com a ética, com seus recursos humanos e com o desenvolvimento sustentável.

Já Eike Batista, o chairman da EBX e dono da maior fortuna do Brasil, é admirado por sua audácia. Ele não esconde seu objetivo de se tornar o homem mais rico do mundo até 2015. "Só que, com o meu dinheiro, vou construir hospitais, universidades, vou fazer tudo o que o Brasil precisa fazer nessas áreas. Porque eu vi o Brasil perder uma geração e meia de jovens."

Batista também alfinetou os empresários nacionais. "O brasileiro não tem a cultura de investir no risco. Se habituaram a fazer uma hidrelétrica, uma estrada. E tem de ser 15% de taxa (de retorno)". E foi mais longe: "Costumava dizer que 50% dos CEOs das companhias estão no lugar errado. Aumentei o número para 87,5%. Os caras são ruins, não pensam em 360 graus". Tão ousado nas palavras quanto nos negócios.

 

registrado em: