Você está aqui: Página Inicial / Economia / Algum refresco econômico no campo

Economia

Agronegócio

Algum refresco econômico no campo

por Rui Daher publicado 17/07/2015 11h16, última modificação 17/07/2015 14h31
O valor bruto da produção agropecuária deverá atingir R$ 463 bilhões. Próximo ao dos dois últimos anos. Crescimento de 70% sobre 2006
GERJ
morangos

Produção de morangos no Rio de Janeiro, parte do programa Rio Rural

Analisem, os leitores e leitoras, o quanto a mesmice pode ser boa.

Desde o início deste ano, enquanto as turbulências na política e na economia brasileira chegam a nós pelas folhas e telas cotidianas, agilizadas pelos Congresso e no Judiciário, de forma orgástica e com orientação explícita para um só alvo, na agropecuária o riozinho de águas claras segue calmo.

Um chio aqui, outro ali com o novo Plano Safra; gangorras de países fechando as portas para nossas exportações, outros as abrindo; diretor-geral da FAO, brasileiro José Graziano da Silva, candidamente, lutando para mostrar a importância mundial da agricultura familiar; o também brasileiro, diretor-geral da Organização Mundial do Comércio, Roberto Azevêdo, sem barrar a carrada de subsídios concedidos aos agricultores chineses. Enfim, tudo segue como o previsto.

Martin Wolf, colunista do Financial Times, há cerca de um mês, declarou: “A maioria das pessoas não entendeu nada sobre a gravidade da crise de 2008, e isso inclui a maioria dos economistas”.

Talvez não tenha sido informado de que aqui eles têm uma fórmula mágica, de mil e uma utilidades: aumentar mensalmente as taxas de juros.

O tamanho da crise internacional não vê quem não quer. No Brasil, agravada por erros do governo, principalmente, nos dois últimos anos. Não há país, hegemônicos ou emergentes, cuja economia não esteja na lama. Os pobres? Estes nunca saíram dela. Tenho sérias dúvidas se um dia sairão.

Nos riachinhos de águas claras, o valor bruto da produção agropecuária deverá atingir R$ 463 bilhões. Próximo ao dos dois últimos anos. Crescimento de 70% sobre 2006.

Segundo a CONAB, a produção de grãos poderá ser novo recorde, 206 milhões de toneladas.

As altas produções norte-americanas ajudaram a elevar os estoques mundiais de soja, milho e trigo, mas não com força tal para fazer derreter as cotações em Chicago e Nova York. Em contraposição, o planeta vê nisso um bem: nos últimos 12 meses, o índice geral de preços da FAO, para uma cesta de cinco grupos de alimentos (carnes, lácteos, cereais, óleos vegetais e açúcar), caiu 20%.

Quem vende para a agropecuária – insumos, máquinas, equipamentos – teme aumento da inadimplência na futura colheita. Por isso, apoiam as reivindicações dos sojicultores do Mato Grosso contra o limite de R$ 1,2 milhão para financiamento a taxas do crédito rural. Não os apoiam, porém, quando reclamam da alta nos preços dos insumos – sementes, fertilizantes, agrotóxicos.

Nenhum desses alarmes fez pararem os negócios com vendas de terras. Nem a suspeita luta da bancada ruralista para que se flexibilize as compras por estrangeiros. Sacumé, país em crise tenebrosa, trombetas anunciando que a casa ruiu, ativos valendo nada, tudo baratinho, senhor.

Não para todos. Segundo matéria do jornal Valor, a BrasilAgro, empresa de desenvolvimento agrícola, vendeu propriedade de 27.745 hectares, em Baixa Grande do Ribeiro, Piauí (longe, né?), por R$ 270 milhões, cerca de R$ 9.800,00/hectare. Ela foi comprada, em 2006, por cerca de R$ 1.300,00/hectare. Deram uma por dentro ou não?

Agricultura familiar 

mandioca
Produção de farinha de mandioca por agricultura familiar, na região fluminense de São Vicente de Paulo (foto: Camilo Mota)

Promessa é dívida. Comento o livro do jornalista Ricardo Prado, com fotos de Ricardo Martins e Valdemir Cunha, “O homem do campo paulista” (Editora Horizonte, 2015).

Para quem anda por aí, entende o que é a agricultura familiar, e aplaude o fato de os recursos para o plano safra do segmento terem aumentado 12,5 vezes, desde 2002/03, o livro parecerá óbvio. Se divertirão com a vida de famílias que plantam menos preocupadas com as Bolsas de Chicago e Nova York e mais com os quiabos que não devem chegar gosmentos aos nossos pratos.

 

Para os demais, que não conseguem ver complementaridade entre agriculturas empresarial e familiar, o livro é fundamental. Com um pouco de boa vontade e a perda da marra que os faz considerar apenas o apoteótico da agropecuária, notarão a sensibilidade de uma lupa.

Unanimidade garantida: as ótimas fotos que ilustram o livro. O que já é muito.

Os caríssimos leitores já assistiram às reportagens essenciais produzidas e apresentadas no programa rural da TV Globo? São indivíduos e famílias que amam suas cabras e delas tiram a sobrevivência. Outros plantam hortaliças sem agrotóxicos, criam abelhas ou minhocas. Outros, ainda, formam cooperativas e fornecem leite e queijos. Até soja e cana produzem. É viável.

Pois é, o livro é isso aí. Reportagens impressas. Dez. Não, não é nota, que não sou disso. São dez famílias, em dez municípios, que plantam dez diferentes culturas. De cana-de-açúcar, grãos e café até batata e cenoura, passando por flores e leite. Os Souza, França, Abumussi e Nakaasato. Em Ibiúna, Saltinho, Piraju e Taquaritinga.

Não me perguntem por que o livro teve o apoio da Syngenta. Muito provável, foi a única forma financeira que os autores encontraram de publicá-lo. Ou sinais explícitos de que o marketing reconheceu a barra da mauvaise conscience.


*Rui Daher é colunista de CartaCapital e criador da Biocampo Desenvolvimento Agrícola.