Você está aqui: Página Inicial / Diálogos Capitais / "Leilão de portos no Pará é decisivo", diz Helder Barbalho

Diálogos Capitais

Diálogos Capitais - Setor Portuário: Desafios e Oportunidades

"Leilão de portos no Pará é decisivo", diz Helder Barbalho

por Felipe Melo — publicado 03/03/2016 19h01, última modificação 03/03/2016 19h01
Ministro da Secretaria de Portos da presidência da República debateu as possibilidades de investimento com a implantação dos novos projetos no estado
Tarso Sarraf
O ministro Helder Barbalho

'A agricultura do estado do Pará irá se fortalecer cada vez mais', afirmou Helder Barbalho

Viabilizar a abertura de novas oportunidades para o escoamento da produção nacional é a expectativa do ministro da Secretaria de Portos da presidência da República, Helder Barbalho (PMDB-PA), com relação ao segundo leilão de portos. Marcado para o dia 31 de março na BMF&FBovespa, o leilão disponibilizará seis áreas no estado do Pará. 

“Todos os estudos mostram que, para aqueles que produzem no centro brasileiro e hoje exportam pelos portos de Paranaguá ou Santos, a opção do Arco Norte, que está sendo aberta com esses leilões, barateia a tonelada em U$ 46 dólares. Quando a produção vai para a casa de milhões de toneladas, seguramente representa uma estratégia decisiva para que o produto nacional seja atrativo e mais competitivo aos mercados internacionais”, analisou o ministro, em discurso no painel de abertura do evento Diálogos Capitais - Setor Portuário: Desafios e Oportunidades, promovido por CartaCapital em parceria com a Secretaria dos Portos na manhã da quinta-feira (3), em na capital paraense Belém. 

No primeiro espaço de discussão do seminário, Portos - Gerando riqueza no Pará e abrindo novas oportunidades logísticas para o Brasil e para o mundo, também se debateu as possibilidades de investimento e crescimento para o estado do Pará com a implantação dos novos projetos em questão. 

“A agricultura do estado do Pará irá se fortalecer cada vez mais. Também é fundamental que o estado possa estar em condições de enxergar todas as oportunidades que a estratégia portuária viabilizará. Por exemplo, barcaças que compõe a logística do escoamento podem ser produzidas no mercado local e, com isso, fortalecer a siderurgia paraense. Estamos falando de R$ 1,5 bilhão em investimentos em portos, o que deve gerar emprego na construção civil e também na área de produção de equipamentos”, acredita Barbalho.  

Das seis áreas que serão leiloadas no Pará, três estão localizadas no Outeiro, distrito administrativo de Belém, duas em Santarém e a última na Vila do Conde, localizado no município de Barcarena.  

A Secretaria de Portos da Presidência da República estima figurar na casa de R$ 51 bilhões os investimentos em áreas portuárias nos próximos anos no Brasil, com mais de 20 já liberados para leilão pelo Tribunal de Contas da União.

Helder Barbalho também falou sobre o avanço conjunto que está sendo feito para a viabilização da rota de escoamento do Arco Norte. Entre as ações, estão a licitação do Pedral do Lourenço, que permitirá a navegabilidade da hidrovia do Rio Tocantis durante todas as épocas do ano, e o início do processo de concessão da BR-163 para trecho de 331,6 km entre o acesso da BR-230, próximo aos municípios paraenses de Itaituba  e Santarém.

A intenção é ligar Sinop (MT) a Santarém, com passagem por Miritituba (PA). Ele também citou concessões para as ferrovias Norte e Sul e Lucas do Rio Verde-Miritituba, atendendo a uma antiga reivindicação do setor produtivo.

Ao final do primeiro espaço de debate do evento Diálogos Capitais, o ministro assinou dois termos aditivos de expansão de futuros terminais portuários no Pará. A empresa Hidrovias do Brasil (HBSA) é a responsável pelas obras, que são parte do projeto da instituição de construir o maior complexo de grãos do estado. Os investimentos anunciados hoje representam um aumento de R$ 167 milhões nos negócios que estão sendo implantados pela HBSA em Vila do Conde e Itaituba (PA).