Você está aqui: Página Inicial / Destaques CartaCapital / Como dois e dois

Destaques CartaCapital

Newsletter

Como dois e dois

por Redação Carta Capital — publicado 09/03/2012 12h31, última modificação 09/03/2012 12h31
Os problemas do nosso sistema educacional são tão claros quanto as soluções. Não é preciso inventar
Girl having difficulty with math questions on chalkboard.iStockPhotos.

Enquanto isso... Nos países desenvolvidos, 10% dos alunos alcançam os graus máximos. Foto: Istockphotos

Por Otaviano Helene*

O nosso sistema educacional tem problemas quantitativos e qualitativos muito graves. Vejamos, primeiro, os quantitativos. Nos primeiros anos da educação infantil, sob responsabilidade principalmente dos municípios, atendemos apenas cerca de um quinto das crianças. Ao longo do ensino fundamental, nível educacional cuja oferta é dividida entre estados e municípios, um terço dos nossos jovens deixa a escola. Como resultado, a cada ano, cerca de 1 milhão de brasileiros iniciam a idade adulta sem ter sequer concluído o ensino fundamental, apesar de este ser um direito constitucional e um dever, e assim permanecerão pelas próximas décadas. Como a evasão continua ao longo do ensino médio, esse nível educacional, majoritariamente sob a responsabilidade dos estados, é hoje completado apenas por metade da população. E ao final do ensino superior chega apenas um quinto dos cidadãos.

Segundo dados coletados e divulgados pela Unesco, a situação descrita nos coloca em uma das mais vergonhosas posições, mesmo quando a comparação se -restringe aos países sul americanos: estamos entre os piores colocados no que diz respeito à alfabetização juvenil (dos 15 aos 24 anos) e à taxa de inclusão no ensino superior.

Os problemas qualitativos acompanham os quantitativos. A enorme maioria dos nossos estudantes apresenta graves problemas em praticamente todas as áreas do conhecimento, o que frequentemente provém da falta de efetivo entendimento de um texto simples. Evidentemente, isso exclui qualquer possibilidade de sua interpretação mais ampla. Tal situação impede o desenvolvimento e o aprendizado, fato claramente revelado pelo desempenho mostrado nas diversas provas e avaliações feitas ao longo do ensino básico.

*Leia matéria completa na Edição 688 de CartaCapital, já nas bancas