Você está aqui: Página Inicial / Cultura / Um mundo mais pálido

Cultura

Crônica do Menalton

Um mundo mais pálido

por Menalton Braff publicado 04/06/2015 15h05
Os adolescentes querem mais simplicidade para entender a vida, mas qual seria o resultado disso para nós?
Wikimedia Commons
Ouro

Em um mundo mais simples, o ouro não poderia ser entendido como riqueza

Um amigo veio me contar que está ficando aborrecido de ouvir tanta queixa de adolescentes. Não é caso de estranheza, meu caro, alunos queixarem-se. Isso é inerência (eu ia dizendo inércia, não sei por quê) do ser humano pelo menos desde Adão e Eva, que foram condenados ao esforço até verter suor. Pois alguns de meus alunos, naqueles velhos tempos em que a sala de aula era meu espaço diário, resolveram denunciar a literatura por complicada, obscura, cheia de ciladas. Uma palavra, dizia-me um deles, pode ser uma coisa, mas também pode não ser. Fica difícil entender este emaranhado de significações possíveis.

O que meus pupilos estavam na realidade propondo era um mundo mais simples, cada coisa tendo um e apenas um significado. Entendi logo que a luta deles era para eliminar-se da língua toda figura de linguagem e principalmente a metáfora, a mais enxerida de todas. Simplificar tudo era a palavra de ordem. Física quântica pra quê? Só pra complicar a vida da gente. Prótons, elétrons e nêutrons, coisa absurda, se a gente nem os vê! E eu me lembrei, então, da trigonometria, que em criança cheguei a pensar que fosse medida de trigo. Um mundo coreografado: dia de chuva, dia de sol, doenças curáveis, doenças incuráveis, as casas pintadas todas da mesma cor (tremenda economia), e as flores todas iguais, e as folhas, e os rostos, cabelos, tudo igual. Para que tanta variedade?

Meus caros e diletos pupilos, pensei, eis uma proposta sensata: um mundo mais simples. Um mundo em que ouro não pudesse ser entendido como riqueza, mas como “Elemento de número atômico 79, metálico, amarelo, dúctil, maleável, denso, pouco reativo, utilizado em ligas preciosas [símb.: Au ]”, como nos ensina o Aurélio. Estaríamos livres de quanto engano, de quanto engodo, não é mesmo?!

Depois de ouvir seus argumentos, fui pra casa pensando: Mas não é que eles têm razão?  Em lugar de dizer “Marcela morria de amores pelo Xavier. Não morria, vivia.” Machado de Assis deveria dizer: “Marcela amava muito o Xavier, isto é, ele a sustentava”. Viram como ficou mais claro? E aquela estrofe final da Ismália, do Alphonsus de Guimaraens: “As asas que Deus lhe deu/ ruflaram de par em par./ Sua alma subiu ao céu,/ seu corpo desceu ao mar”. Não ficaria mais claro dizer: “A Ismália jogou-se no mar e morreu”?

Vocês têm razão, meninos. Um mundo pintado de uma só cor seria muito mais simples. 

Talvez morrêssemos todos de tédio, mas que ficaria mais fácil de entender, ah, disso não tenham dúvida.

registrado em: