Você está aqui: Página Inicial / Cultura / Sagrados elos imobiliários

Cultura

Palestina

Sagrados elos imobiliários

por Viviane Vaz, em Jerusalém — publicado 09/01/2011 15h08, última modificação 09/01/2011 15h08
Comerciantes árabes da rua Al-Silsila tentam resistir ao assédio de empresários judeus

Comerciantes árabes da rua Al-Silsila tentam resistir ao assédio de empresários judeus
Imagine uma corrente. Você vê as extremidades, mas não vê o elo entre as duas pontas. Você precisa juntar os pontos extremos para entender o todo”, diz, com ar de mistério, Ahmad, jovem comerciante da rua Al-Silsila, em Jerusalém. O árabe palestino explica sua metáfora e diz que, para entender a cidade sagrada para as três grandes religiões monoteístas do mundo é necessário ver todos os elos da corrente e juntá-los. Chamada de rua de Davi pelos judeus, Al-Silsila significa “corrente” em árabe. A estreita via é uma das principais passagens entre dois mundos: o caminho do bairro judeu ao árabe, ou vice-versa. Repleta de lojas de comidas típicas e de artesanatos palestinos, não poucos feitos na China, leva da Porta de Jaf-fa Grande Mesquita do Domo da Rocha e traça o limite com o bairro judeu, onde se encontra o Muro das Lamentações.
No meio da “rua da Corrente”, dois policiais – um israelense de origem árabe e outro judeu – perguntam aos que se encaminham à mesquita se são muçulmanos. É sábado e os turistas não têm permissão para entrar. Para os judeus, é onde Abraão ofereceu seu filho Isaac em sacrifício a Deus e o rei Salomão construiu o primeiro templo. Já os muçulmanos acreditam ter sido o local de onde o profeta Maomé viajou aos céus (Al-Miraaj). “Eu, particularmente, não vejo problema que os turistas passem, mas os policiais o fazem para evitar confusão. Pode entrar algum judeu com uma Torá e irritar os muçulmanos”, explica Ahmad. “Os judeus fazem isso para prejudicar o comércio aqui na rua e forçar-nos a vender nossas lojas”, opina Omar Jobah.
Jobah apareceu no início de dezembro em um canal de televisão palestino denunciando o movimento de empresários judeus que tentam comprar lojas de árabes em Jerusalém. Aos 58 anos, casado e pai de sete filhos, tira por mês cerca de 3,5 mil shekels (cerca de 2 mil reais, salário mínimo em Israel). Por ano paga 5 mil shekels em impostos pela propriedade do estabelecimento comercial ao governo israelense, 12% sobre as vendas e mais 5% em taxas extras. “Toda hora eles aparecem aqui querendo comprar. Os judeus já me ofereceram 750 mil dólares, mas não vendo nem por 1 milhão. Minha família está aqui há 200 anos.”
O comerciante tenta convencer os demais a não vender suas lojas a judeus. “Ele é como nosso líder aqui na rua. Eu não venderia minha loja (que está em frente a uma madrassa, escola da religião islâmica), nem por 5 milhões de dólares. Se começarmos a vender tudo aos judeus, a rua vai perder seu caráter”, explica Hamed, dono da última loja árabe no caminho à mesquita.
O judeu Itzik Gurevich, da Organização de Construtores de Israel, explica: “Há grupos que tratam de adquirir, de comprar propriedade dos árabes palestinos, sob a ideologia religiosa de direita de Israel”. Na cidade sagrada, muitos empresários organizam-se na Elad, associação de colonos judeus ativa nos bairros árabes de Jerusalém Oriental. “Eles pensam que toda a parte de Jerusalém onde estão os palestinos também pertence a eles.” Segundo Gurevich, a compra de propriedades é uma transação legal – não há qualquer legislação que impeça transações imobiliárias entre judeus e árabes, palestinos e israelenses. “Mas quando esses grupos adquirem a propriedade e se instalam, começam a formar centros de provocação. Isso aumenta a tensão nesta zona da cidade.”
Ao mesmo tempo, os palestinos não se sentem livres para vender suas lojas a judeus. “Há uma espécie de castigo para os árabes que vendem os imóveis. Na longa rua de Al-Silsila, com um total de 123 lojas, há apenas dois proprietários judeus que conseguiram comprar o estabelecimento de árabes. “Os dois (árabes) ficaram muito malvistos pela comunidade por terem vendido suas lojas”, afirma Jobah. “Há posições radicais por ambas as partes. A base da aquisição das propriedades é provocativa, não é econômica. Não é algo ingênuo”, analisa Gurevich.
Na outra ponta da corrente, dezenas de rabinos estimulam os cidadãos a não vender nem alugar casas para não judeus. No início de dezembro, uma carta aberta de 41 rabinos alegou que a tensão entre árabes e judeus aumentou com o impasse do processo de paz e reclamaram da entrada de imigrantes ilegais africanos. “A terra de Israel é destinada ao povo de Israel”, disse à rádio do Exército de Israel, Yosel Shainin, rabino-chefe da cidade portuária de Ashdod e um dos signatários do texto. A Associação de Direitos Civis de Israel (Acri) e parlamentares de oposição exigiram que o premier israe-lense, Benjamin Netanyahu, condenasse a carta e punisse os rabinos. “Isso obriga, de uma vez por todas, o indiciamento deles por incitação racial”, disse o parlamentar árabe israelense Ahmed Tibi. De forma surpreendente, Netanyahu considerou a carta antidemocrática e afirmou que contradizia os livros sagrados, recordando a história de discriminação sofrida pelo povo judeu. “Israel rejeita completamente estes comentários (dos rabinos).”
Na cidade de Hebron, na Cisjordânia, em território palestino, o lobby para compra e venda de lojas de palestinos por israelenses judeus se repete. Aos 77 anos, Mohamed é um dos poucos que mantêm sua loja de ferragens aberta na rua Ashuhadek. Muitos negociantes venderam os imóveis ou simplesmente fecharam as portas. “A rua está praticamente fechada e quase ninguém passa por aqui. A Autoridade Palestina me dá mil shekels por mês. Venho trabalhar para me divertir.”
Uma mureta com cerca de 60 centímetros de altura e um check point com dois soldados israelenses separam o comerciante palestino Munear Abid, 58 anos, de seus clientes árabes no final da Ashuhadek. Ele é um dos donos das quatro últimas lojas árabes que ficaram do “lado judeu” de Hebron. Munear lembra que, quando era pequeno, árabes e judeus circulavam pela cidade livremente. Mas em 1994, durante o processo de paz de Oslo, o colono judeu Baruch Goldstein disparou contra muçulmanos que rezavam na Mesquita de Ibrahim – ou na Cava de Machpela, onde se diz que estão enterrados os restos de Abraão –, e matou 29 pessoas. Em fevereiro de 1997, um acordo para a redistribuição das forças de defesa israelenses dividiu a cidade em duas áreas: H1, controlada pela Autoridade Palestina, e H2, sob controle militar israelense. Depois da segunda Intifada, em 2000, e o aumento da violência entre os dois lados, as FDI tomaram o controle de toda a cidade e vários check points foram criados a partir de 2003 na área H1.