Você está aqui: Página Inicial / Cultura / Fim de festa

Cultura

Crônica do Menalton

Fim de festa

por Menalton Braff publicado 06/01/2014 17h02
Nada há mais melancólico do que fim de festa. As duas paisagens, a exterior e a interior, geralmente são desoladoras
paukrus/Flickr
Fim de festa

Por pior que seja uma festa, ela é o condimento necessário para os dias e noites brancos que temos de atravessar nesta vida

Nada há mais melancólico do que fim de festa. As duas paisagens, a exterior e a interior, geralmente são desoladoras. Foi bem isso que eu senti outro dia. Tive de voltar na manhã seguinte ao local do crime e quase não acreditei no que vi. Em lugar do brilho da véspera, seus arranjos com bandeirolas coloridas, suas fitas e topes, em lugar das mesas organizadas segundo o mais apurado gosto, o que vi parecia o campo devastado por uma guerra furiosa. Restos de comida jogados por cima e por baixo das mesas; garrafas esparramadas; tocos de cigarro esmagados dentro de copos plásticos ainda com restos de refrigerante. O salão, na verdade, pareceu-me um imenso cinzeiro. Em lugar da multidão sorridente e loquaz, um gato incomodado atravessou o salão solitário e silencioso e ganhou a rua por uma janela entreaberta. Realmente um cinzeiro transbordando.

Depois de uma festa, é difícil haver alguém que não sinta um pouco de remorso, tantos são os excessos que o espírito festivo justifica. Durante a festa, aquela gula contida pelas ameaças do senhor médico, a custo contida, diga-se de passagem, solta as frangas, avança o sinal, empurra para um amanhã nem sempre provável  todas as preocupações com a saúde (ou com a estética), já que o instante é de euforia. Depois dela, da festa, aquele peso no estômago, uma tremenda indisposição que nos faz sentir como um navio encalhado em banco de areia. É um enfaro tão grande que, em comunicação, só conseguimos enunciar alguns clichês.

A consciência, então, como é que a consciência fica? A ciência do bem viver exige-nos contenção, muita contenção todo dia o dia todo, para que o convívio social seja tolerável ou apenas possível. Algumas pessoas, quanta ingenuidade, afirmam que são autênticas (é essa mesma a palavra que usam), que dizem tudo o que pensam. E se orgulham desta autenticidade. Algumas pessoas, umas poucas. Felizmente. Porque a maioria, por instinto de sobrevivência ou por educação, não sai por aí dando trombada em Deus e todo o mundo, agredindo sem necessidade, ofendendo quem lhe aparecer pela frente. Parece incrível, pois estas últimas, quase sempre, são as que mais têm do que se arrepender depois de uma festa. Se a festa é de casamento, então, a situação piora consideravelmente. Parentalha, quando se encontra, quer botar as fofocas em dia. Não há quem não saia um pouco ofendido, com alguma mágoa engasgada na garganta.

Leitor apressado (essa é machadiana), não me acuse de ser contra as festas só por ter feito as considerações acima. Por pior que seja uma festa, ela é o condimento necessário para os dias e noites brancos que temos de atravessar nesta vida. O que seria do mundo sem um dia o peso no estômago, sem a mágoa de uma prima autêntica?

Mas o mais ridículo de tudo, em passagem de ano, são os propósitos, sempre os mesmos, sempre repetidos e jamais alcançados. E por uma razão bem simples: a única coisa que muda é a folhinha na parede.

registrado em: ,