Você está aqui: Página Inicial / Cultura / Casa do Choro será centro de referência do gênero musical no Rio

Cultura

Samba

Casa do Choro será centro de referência do gênero musical no Rio

por Agência Brasil publicado 26/04/2015 07h53
Entre os dias 25 e 26 de abril, em homenagem a Pixinguinha, acontece festival ao ar livre em memória ao choro
Divulgação Banco do Brasil
Pixinguinha

Alfredo da Rocha Viana, o Pixinguinha, nasceu em 23 de abril de 1897, no Rio de Janeiro

Por Paulo Virgílio*

O Dia Nacional do Choro, 23 de abril, foi instituído no ano de 2000 em homenagem ao compositor Alfredo da Rocha Viana, o Pixinguinha, nascido nesta data em 1897. Este ano, no entanto, a comemoração não será nesta quinta-feira 23, feriado estadual no Rio de Janeiro devido ao Dia de São Jorge, mas no próximo fim de semana, dias 25 e 26. Estão programados um festival ao ar livre e a a inauguração da Casa do Choro, o primeiro centro de referência do gênero na cidade onde ele foi criado.

A Casa do Choro está instalada em um sobrado da Rua da Carioca, no centro, construído em 1902, com arquitetura de inspiração mourisca, em voga na época. O prédio, embora tombado pelo Instituto Estadual do Patrimônio Cultural, estava em ruínas ao ser cedido pelo governo fluminense ao Instituto Casa do Choro, responsável pela implantação do espaço cultural.

A restauração contou com apoio financeiro de R$ 3 milhões do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), patrocínio da Petrobras e incentivo da Lei Rouanet. No prédio foram instaladas oito salas de aula, estúdio, centro de pesquisa e um auditório para shows e palestras.

“A criação do espaço é, antes de mais nada, uma atitude de respeito para com a mais antiga e rica música instrumental brasileira”, diz a compositora e cavaquinista Luciana Rabello, presidenta do Instituto Casa do Choro. Da diretoria da instituição fazem parte ainda o compositor, arranjador e violonista Mauricio Carrilho, na vice-presidência, os também músicos Jayme Vignoli, Paulo Aragão e Pedro Aragão e o produtor César Carrilho. O conselho do Instituto é composto por artistas como o poeta e produtor musical Hermínio Bello de Carvalho, os compositores Dori Caymmi e Paulo César Pinheiro e a cantora Maria Bethânia.

O Instituto Casa do Choro é responsável pela Escola Portátil de Música, onde, desde o ano 2000, passaram mais de 10 mil estudantes. Atualmente, a instituição mantém aproximadamente 1,1 mil alunos matriculados nas oficinas, promovidas na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UniRio).

O apoio financeiro do BNDES também possibilitou a disponibilização, na internet, de um acervo com mais de 15 mil partituras relacionadas ao repertório do choro, datadas desde o século 19, além de 2 mil discos, entre LPs e 78 rotações, e vasto material bibliográfico e iconográfico.

A inauguração, às 11h deste sábado, marca a abertura do VI Festival Nacional do Choro, que vai reunir, em sucessivas apresentações gratuitas e ao ar livre, Praça Tiradentes, 20 grupos, num total de 160 chorões, de todo o Brasil. Entre os que vão se apresentar no sábado e no domingo estão os grupos Galo Preto, Camerata Brasilis, Água de Moringa, Época de Ouro, Nó em Pingo D'água, Trio Madeira Brasil e Quarteto Maogani.

O festival terá ainda a presença de músicos consagrados do gênero, como Hamilton de Holanda, Yamandu Costa, Zé Paulo Becker, Joel Nascimento, Déo Rian, Henrique Cazes, Maurício Carrilho, Luciana Rabello, Cristóvão Bastos e Zé da Velha.

De segunda-feira 27 a quinta-feira 30, uma série de sete palestras sobre o panorama do choro em várias partes do país vai dar ao público uma primeira oportunidade de conhecer as instalações da Casa do Choro. A visitação, no entanto, só terá início no segundo semestre e será gratuita, exceto em dias de apresentações artísticas, pois essas receitas ajudarão a custear a manutenção do espaço.

Tanto no auditório de 120 lugares, no térreo do prédio, quanto no último andar, a Casa do Choro terá uma programação de palestras, workshops e encontros musicais, incluindo rodas de choro no fim da tarde e no horário de almoço.

*Publicado originalmente na Agência Brasil.