Você está aqui: Página Inicial / Cultura / Bravo! / Nenhum humorista atira para matar

Cultura

Exposição

Nenhum humorista atira para matar

por Rosane Pavam publicado 29/04/2016 02h33, última modificação 29/04/2016 15h31
Primeira retrospectiva traz 500 desenhos originais de Millôr
Acervo Millôr Fernandes IMS
Corrosão

A charge Corrosão, de 1975

charge Corrosão, concebida originalmente em 1975 com nanquim, aquarela, hidrocor e grafite, publicada seis anos depois no livro Desenhos, pela editora Raízes, resume o poder da boa caricatura. A tinta de Millôr Fernandes (1923-2012), espirrada na direção de um duque de ferro, tem o poder de manchá-lo e diluí-lo. Com este desenho sobre papel, o artista arranhava a arrogância do poderio militar em plena ditadura. E ele desancaria o autoritarismo com outro entre seus talentos, o de formular as grandes frases: “Fiquem tranquilos os poderosos que têm medo de nós: nenhum humorista atira pra matar”.

Millôr: Obra gráfica é a primeira retrospectiva dedicada aos desenhos de um dos maiores humoristas brasileiros, igualmente dramaturgo e tradutor. Os 500 originais, escolhidos pelos curadores Cássio Loredano, Julia Kovensky e Paulo Roberto Pires, foram subdivididos em cinco conjuntos. Millôr por Millôr traz as reflexões do artista sobre si mesmo, autorreferido em terceira pessoa.

Pif-Paf, o Laboratório expõe seu trabalho como colunista da revista O Cruzeiro, entre 1945 e 1963. Brasil, em que está exposta a charge publicada nesta página, percorre a vida do País e de seus habitantes, assim como a seção Condição Humana. O último núcleo, À Mão Livre, traz os exercícios visuais de Millôr, feitos usualmente quando se postava ao telefone, sem o compromisso de publicar. 

Millôr: Obra gráfica. Instituto Moreira Salles, Rio de Janeiro. Até 21 de agosto

Todas as obras, extraídas de um arquivo de cerca de 6 mil desenhos, sob a guarda do Instituto Moreira Salles desde 2013, são apresentadas em seus suportes originais, plenas de anotações. O catálogo da exposição (288 págs., R$ 129,90) está disponível. 

Depois da temporada no Rio de Janeiro, a exposição parte para São Paulo, onde será inaugurada no segundo semestre de 2017 a nova sede do instituto na Avenida Paulista.