Você está aqui: Página Inicial / Colunistas / Aline Valek

Colunistas

Aline  Valek

Aline Valek

Escritora independente, feminista e colunista de CartaCapital.

Cena do filme Aquarius, com Sonia Braga

O filme de Kleber Mendonça Filho é a história de uma mulher que se recusa, ponto. E assim resistimos; sozinhas, mas todas juntas.

A escritora Virgínia Woolf

O machismo na literatura se manifesta bem antes do mercado editorial. De forma sutil, empurra autoras para as margens e para o esquecimento.

O livro Rainha do Ignoto

A cearense Emília Freitas imaginou novos papéis para a mulher com seu romance “A Rainha do Ignoto”, publicado em 1899

Estacao Onze

Uma reflexão sobre o livro "Estação Onze" e por que precisamos da arte em momentos de ruptura e embrutecimento

Ilustração

É antiga a máquina criada para violentar e agredir mulheres, mas seus mecanismos continuam funcionando – e muito bem – nos dias de hoje

Bruno Araújo

Ela não nos deixará esquecer que todo o barulho para mudar tudo foi, no fundo, um movimento para que tudo continuasse igual

Nudez

O corpo nu incomoda também por se mostrar exposto, vulnerável. Nos tempos atuais, quem consegue suportar tanta vulnerabilidade?

Deputados

Nem a mais absurda ficção tem conseguido competir com nosso momento político, um show de personagens e enredos surreais

Will Ferrell em 'Mais Estranho que a Ficção'

Assumir protagonismo é assumir uma imensa responsabilidade: a de decidir que tipo de história estamos criando com nossas escolhas

Octavia Butler

A inspiradora história do início de carreira de Octavia Butler, primeira autora negra de ficção científica a ser reconhecida mundialmente

Jarid Arraes

Em entrevista, a escritora caririense Jarid Arraes conta como busca suas origens ao escrever cordéis e literatura

Advantageous-trailer

Questionando desemprego, maternidade, juventude e padrões de beleza, Advantageous é exemplo de como a ficção científica aborda questões de gênero

Carolina Maria de Jesus

A escrita de Carolina Maria de Jesus é sua forma de se recusar a ser “despejo” em uma sociedade desigual que a empurrou para a miséria

Mulheres

As mulheres têm muito o que dizer, mas precisam ser ouvidas para muito além do mês de março.

Steve Carell

Personagens errados têm o direito de existir – especialmente porque servem para nos mostrar o que de pior existe em nós

Ilustração de edição da obra de Margaret Atwood

A questão levantada pelo livro “O Conto da Aia” mostra como a ficção científica pode nos fazer refletir sobre nossa própria realidade

É fácil se enxergar como Jessica não só porque ela tem problemas reais, não usa um uniforme colorido e um nome engraçado

Como o seriado Jessica Jones ajudou a colocar o abuso em debate e fez surgir uma heroína com problemas reais tão representativa

jogos-vorazes

A recusa de Katniss em fazer parte do jogo já é fazer parte do jogo: ela luta ativamente pela possibilidade de escrever o próprio destino

adolescentes

A consciência e coragem das garotas de hoje são uma inspiração na luta das mulheres por mais espaço na sociedade

karina-buhr 3x2.jpg

Desperdiçando Rima, livro de estreia de Karina Buhr, reúne poesias, fragmentos, anotações e desenhos que falam muito sobre uma artista feita de misturas

Participante de marcha pró-vida no Rio de Janeiro, em 3 de maio

O que o discurso "a favor da vida" dos que são contra o direito ao aborto realmente significa

Risqué

A estratégia de usar machismo para vender produtos gera cada vez mais insatisfação, repulsa e chacota nas redes sociais – Por Aline Valek, no Escritório Feminista.

Dia Internacional da Mulher

Feliz Dia da Mulher a você, que não tem autonomia sobre seu corpo, que faz de tudo para se encaixar num padrão imaginário e que se dá ao respeito, mas que é um fetiche

feminista.jpg

Embora transformado em data comemorativa para vender coisas, o Dia da Mulher é data de protesto. Se há algo para celebrar nesse dia, é a nossa voz – por Aline Valek no Escritório Feminista

BeFunky_aline.jpg.jpg

O que ninguém diz quando você tenta a todo custo ser aceita é que isso não a torna imune. Porque só tem uma coisa que realmente se aceita: dominar e oprimir minorias