Você está aqui: Página Inicial / Blogs / QI / Nirlando Beirão / A Globeleza desnuda o mito da interatividade na tevê

Cultura

Tevê

A Globeleza desnuda o mito da interatividade na tevê

por Nirlando Beirão publicado 03/12/2014 06h24, última modificação 03/12/2014 13h46
Globo deixa de delegar ao público a decisão de eleger a moça do Carnaval. Será que não confia nos seus critérios estéticos? Por Nirlando Beirão
Globeleza

A escolha da próxima Globeleza não será submetida ao público

Interatividade é um dos nomes que ganham a feroz competição em que tevê e internet se engalfinham, de olho no futuro próximo da comunicação de massa.

A tevê, por tradição, impõe um padrão de recepção passiva, o espectador escarrapachado na poltrona a engolir a indigente, ou indigesta, dieta que lhe é apresentada. A web, ao contrário, é hiperativa, excita o usuário a uma relação de afirmação e autonomia, liberta o internauta das amarras da grade fixa de qualquer programação.

Para estancar a irremediável migração da informação e do entretenimento para a internet, a televisão esforça-se para abrir caminhos para que o espectador saia da pasmaceira e consiga interagir com aquilo que aprendeu a assistir com  distanciamento.

Reality shows como o BBB e A Fazenda oferecem a ilusão de poder decisório. Emissões como The Voice Brasil aproximam emocionalmente candidatos, artistas e seu vasto auditório eletrônico. Mas no geral o convite à participação é tão risível quanto as perguntas feitas durante partidas de futebol aos comentaristas sabichões.

A Globo chegou a pensar em deixar nas mãos, aliás, nos olhos e na fantasia dos que a frequentam a escolha da nova Globeleza, a sacolejante sílfide que preside as noitadas de carnaval tendo como figurino uma pintura de pele. Desistiu. Talvez não confie nos critérios estéticos da audiência. Talvez seja um exagero de democracia com o qual o padrão Globo não está acostumado.