Você está aqui: Página Inicial / Blogs / Parlatório / Zelotes: PP e TIM estão entre os investigados, diz jornal

Política

Corrupção

Zelotes: PP e TIM estão entre os investigados, diz jornal

por Redação — publicado 01/04/2015 11h57
Uma dívida tributária do partido aparece na lista, e o pai do líder da sigla na Câmara é investigado
Arquivo / Agência Brasil

Com mais de 30 filiados investigados pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal, o PP se tornou a maior vítima da Operação Lava Jato. Agora, o nome do partido surge também na Operação Zelotes, que apura a existência de um esquema responsável por causar o sumiço de débitos tributários, uma forma de desfalcar os cofres públicos.

De acordo com o O Estado de S.Paulo, o PP, que não se pronunciou, está na lista de 73 pessoas físicas e jurídicas investigadas, por conta de um débito de 10,7 milhões de reais com a Receita Federal. Partidos políticos não pagam impostos, mas como diretórios do PP tiveram contas rejeitadas pela Justiça Federal, a sigla se tornou devedora. Entre os investigados, diz o Estadão, está o pai do líder do PP na Câmara, Eduardo da Fonte (PE), Francisco Maurício Rebelo de Albuquerque Silva.

Albuquerque Silva é conselheiro do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf). O Carf é órgão do Ministério da Fazenda no qual os contribuintes podem contestar administrativamente – sem passar pela Justiça – certas tributações aplicadas pela Receita Federal. A força-tarefa que montou a Operação Zelotes descobriu a existência de empresas de consultoria a vender serviços de redução ou desaparecimento de débitos fiscais no Carf. Tais consultorias tinham como sócios conselheiros ou ex-conselheiros do Carf. Elas conseguiam controlar o resultado dos julgamentos via pagamento de propinas.

Até aqui, já foi confirmado um prejuízo de 6 bilhões de reais pela investigação da Zelotes, que pode chegar a 19 bilhões, valor maior que o investigado inicialmente na Operação Lava Jato.

TIM investigada na Zelotes

Também de acordo com o Estadão, a companhia telefônica TIM está na lista de investigadas pela força-tarefa que cuida da Zelotes. A empresa de telefonia negou qualquer irregularidade e disse que lida apenas com escritórios de advocacia idôneos para tratar de débitos tarifários.

A TIM é a mais recente gigante a ser citada como envolvida no caso. De acordo com a Folha de S.Paulo, as empresas contras as quais há mais indícios são os grupos Gerdau e RBS, afiliada da Globo no Rio Grande do Sul. Há também indícios, afirmou a Folha, contra os bancos Santander e Safra; as montadoras Ford e Mitsubishi; e as companhias Cimento Penha, Boston Negócios, J.G. Rodrigues, Café Irmãos Julio e Mundial-Eberle. O banco Bradesco também é citado, mas os investigadores não teriam provas contra a instituição.